Cuiabá, 18 de Julho de 2018

ACUSAÇÕES DA APROSOJA

Segunda-feira, 09 de Julho de 2018, 14h:21 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Taques pode ter mandato cassado por crime de responsabilidade; juíza manda investigar

Claryssa Amorim
Da Redação

(Foto: Marcus Mesquita)

juíza Célia.jpg

 

Foi aberto um processo de investigação contra o governador Pedro Taques (PSDB) por suspeita de improbidade administrativa e crime de responsabilidade por parte do governo do Estado. As irregularidades teriam sido cometidas, em 2015, na administração do tucano, segundo ação da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

 

As acusações foram feitas pela Aprosoja quando abriu uma ação contra o governador, em relação ao Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), apontando os crimes de responsabilidade.

 

A juíza Célia Reginal Vidotti, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, mandou arquivar a ação proposta pela Aprosoja, além de outros sindicatos rurais. Porém, a magistrada encaminhou o processo ao Ministério Público do Estado (MPE), para que fosse analizado, pois existe informações que apontam os crimes realizados. 

 

A ação pede a declaração de inconstitucionalidade de artigos da lei do Fethab, que foram alterados na administração de Taques. Segundo a Aprosoja e outros sindicatos, a dotação desvirtuada dos recursos, macula a própria arrecadação do tributo e com base nisso, pediam a devolução da arrecadação relativa ao Fethab 2.

 

Segundo a juíza, não cabe questionar uma legislação tributária e sua constitucionalidade com uma ação civil pública por se tratar de uma ação.

 

“Analisando detidamente a inicial e os documentos que a acompanham, verifico a pretensão, na forma como foi deduzida, padece de uma impropriedade insanável, que impede o seu recebimento. O parágrafo único do art. 1º, da Lei n.º 7.347/85, não permite o manejo de ação civil pública quando a pretensão veiculada envolva tributo”, apontou na decisão.

 

No entanto, a magistrada entendeu que por haver irregularidades não pode ser passado em branco, sendo assim, determinou o encaminhamento de cópias do processo para o Ministério Público, pois no documento da Aprosoja consta que, os atos irregulares cometidos na administração de Taques, há a possibilidade de resultar em uma cassação do governador. 

 

 “Extraia-se cópia dos autos e encaminhe-se ao Ministério Público, para conhecimento e providências pertinentes, haja vista as informações acerca da ilegalidade, em tese, cometidas pelo gestor estadual, que podem caracterizar o cometimento de ato de improbidade administrativa e crime de responsabilidade”, completa.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Junho 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br