Cuiabá, 27 de Maio de 2019

POLÍTICA
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018, 08h:06

DURANTE PLANTÃO

STJ manda soltar ex-ministro do Mapa preso pela operação Capitu

Luana Valentim

(Foto: Divulgação)

neri geller.jpg

 

O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Nefi Cordeiro, concedeu no plantão deste domingo (11), uma liminar para soltar o deputado federal eleito, Neri Geller (PP).

 

Ele foi preso na manhã da última sexta-feira (9), em sua casa em Rondonópolis (218 km de Cuiabá), durante a deflagração da operação Capitu, da Polícia Federal que investiga suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura, durante o governo da então presidente Dilma Rousseff (PT).

 

Geller teria recebido o montante de R$ 450 mil em propina da JBS. Além de Geller, Rodrigo Figueiredo, que é ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, advogado cuiabano e afilhado do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), também foi preso e recebeu o mesmo valor de propina.

 

Em nota, a assessoria jurídica de Geller informou a sua soltura e disse que o deputado recebeu a notícia com serenidade se dizendo ‘confiante na Justiça’.

 

Os advogados agora tentam cumprir a determinação para que Geller retome suas atividades e preste todos os esclarecimentos necessários ao ‘restabelecimento da verdade’.

 

A operação

 

O grupo dependia de normatizações e licenciamentos do Mapa e teria passado a pagar propina a funcionários do alto escalão do ministério, em troca de atos de ofício que proporcionariam ao grupo a eliminação da concorrência e de entraves à atividade econômica, possibilitando a constituição de um monopólio de mercado. As propinas eram negociadas, geralmente, com um deputado federal e entregues aos agentes políticos e servidores do Mapa pelo operador Lúcio Bolonha Funaro.

 

Entre os atos de ofício praticados pelos servidores do Mapa, destacam-se a expedição de atos normativos, determinando a regulamentação da exportação de despojos; a proibição do uso da ivermectina de longa duração e a federalização das inspeções de frigoríficos.

 

Os envolvidos deverão ser indiciados pelos crimes de constituição e participação em organização criminosa, obstrução de justiça, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, dentre outros. Caso haja condenação, as penas máximas poderão variar entre 3 e 120 anos de reclusão, proporcionalmente à participação de cada investigado.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE