Cuiabá, 15 de Julho de 2018

ELEIÇÕES 2018

Quarta-feira, 11 de Julho de 2018, 20h:30 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Pré-candidata ao Senado diz que mesmo massacrado, o PT é o queridinho do povo

Luana Valentim

Foto: (Facebook)

Enelinda

 

A ex-vereadora e pré-candidata ao Senado, Enelinda Scala (PT), declarou na tarde desta quarta-feira (11), que mesmo com todo o embate político tentando "massacrar" a imagem do Partido dos Trabalhadores, em especial do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, a legenda continua sendo a "queridinha" do povo.

 

Filiada ao PT desde a sua fundação, a professora aposentada garante que está preparada para as eleições deste ano, mesmo sabendo que será uma disputa difícil, ressaltando que o partido sempre enfrentou dificuldades, não sendo uma novidade para ela.

 

Em entrevista ao Jornal do Meio Dia, na TV Vila Real, a petista frisou, que a sigla está sendo "bastante massacrada" diante dos demais partidos e está percebendo a trágica situação em que se encontra o país. Revelou que na última pesquisa feita pela Folha de São Paulo, o ex-presidente Lula aparece com 19% das intenções de voto, mesmo após sua condenação em segunda instância.

 

“Nosso presidente Lula com toda essa situação que está vivendo, com toda essa injustiça, em qualquer circunstância desponta como o candidato preferido do povo brasileiro”, disse.

 

Enelinda relata que o legado do PT foi construído de maneira geral para os trabalhadores, sendo a 1ª vez da história brasileira, que o filho do assalariado pode estar na universidade, além da oportunidade de ter energia em todo o Brasil. Lembrou também que antes nunca houve governadores e empresários poderosos sendo presos, e que, segundo ela, se deu desdobramento durante o governo Lula, instaurando no Ministério Público Federal (MPF) para que investigasse a chegada de recursos nos municípios.

 

“Eu por exemplo, acho que a corrupção tem que ser combatida e existem países com menos corrupção, são tão pequenas, que eu sonho com o Brasil chegando nesse ponto. Mas, observo também que, segundo uma das últimas pesquisas feitas pela Folha de São Paulo, a maior preocupação da população é com a saúde, segurança e educação”, avaliou.

 

Lembrou que na época em que era vereadora de Cuiabá, na gestão de Wilson Santos (PSDB) como prefeito de Cuiabá, lutou por saneamento básico no munícipio para ter 100% de rede de água de esgoto. Para ela, saneamento básico significa saúde.

 

“Dinheiro do povo é sagrado para mim e cada tostão tem que chegar onde precisa. Eu fui junto com o prefeito, que não era do meu partido, mas era o prefeito da cidade e se analisar, a maioria do povo não tem partido, mas precisa de saúde, água tratada e que os rios sejam cuidados. Independente de quem governe e mesmo que seja o nosso maior opositor, o importante é ter recurso para água de rede de esgoto. Eu participei dessa luta mesmo não sendo deputada”, completou.

 

Para ela, a educação política é primordial para mudar a situação atual do país, pois a população sendo bem instruída saberá lutar pelos seus direitos e fazer melhores opções nas urnas. Enelinda completa que a criança desde cedo deve aprender o que é coletivo sagrado, mas analisa que isso é um processo revolucionário. E, devido a essa falta de instrução política, os cidadãos não estão se interessando em ouvir os políticos.

 

Comparando com os demais partidos, a ex-vereadora analisa que o PT está em uma situação mais vantajosa, sendo o que menos tem membros do partido preso. Reconheceu ainda que mesmo o Lula preso, tem grandes chances de ser eleito o novo presidente da República.

 

Para ela, a Justiça brasileira tem um lado político, pois, não há provas de que o ex-presidente Lula recebeu propina, ou que ele é corrupto. Mas, observa a rapidez em que foi efetuada a prisão do petista e compara com demais políticos que mesmo com provas de desvios de dinheiro, continuam soltos.

 

“Esse presidente do povo é o preso político, que teve a coragem de entrar na casa branca”, referindo-se ao famoso livro, onde mostrou que o sistema político e a organização sistêmica social vem desde as capitanias hereditárias, concentradas em famílias de poder econômico alto social que estão sendo repetidas até hoje e finaliza dizendo que é "por isso que Lula ainda está na cadeia".

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Junho 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br