Cuiabá, 28 de Fevereiro de 2020

SOCIAL
Quinta-feira, 16 de Janeiro de 2020, 08h:00

BOA LEITURA

Oscar 2020: Três livros que inspiram finalistas

Por Tamires José/Única News


 

Como muitos meninos austríacos na época da anexação da Áustria ao Reich alemão, no fim da década de 1930, Johannes Betzler abraça inocentemente o sonho nazista. Integrante da Juventude Hitlerista, ele descobre que seus pais estão escondendo uma jovem judia, Elsa Kor, atrás de uma parede falsa em sua casa, em Viena. Seu horror inicial vira interesse, depois amor e obsessão. Após o desaparecimento de seus pais, Johannes descobre que ele é a única pessoa ciente da existência de Elsa e único responsável por sua sobrevivência. Manipulando e sendo manipulado, Johannes teme o fim da guerra: com isso virá a perspectiva de perder Elsa e um relacionamento que varia entre paixão e obsessão, dependência e indiferença, amor e ódio. O céu que nos oprime é uma obra emocionante e magistral que examina verdades e mentiras nos níveis político e pessoal, revelando os aspectos mais sombrios da alma humana.

 

Três filmes inspirados em lançamentos do Grupo Editorial Record estão entre os finalistas do Oscar 2020. O romance histórico ‘O céu que nos oprime’ (Ed. Bertrand Brasil), de Christine Leunens, inspirou o diretor Taika Waititi a produzir a sátira ‘Jojo Rabbit’. Já a obra clássica, de Louisa May Alcott, ‘Mulherzinhas’ (Ed. José Olympio) – uma referência literária para o movimento feminista –, é retratada de forma fiel no filme ‘Adoráveis mulheres’. E ‘Dois papas’ (Editora BestSeller), de Anthony McCarten, que também assina o roteiro da adaptação cinematográfica homônima, trata de um Vaticano em crise, atolado em escândalos, mas incapaz de seguir soluções simples.

 

LIVRO

Em Dois Papas, o escritor e roteirista, Anthony McCarten faz um exame minucioso da Igreja Católica e seus dois recentes líderes. O autor navega por todas as teorias a respeito da decisão chocante do papa Bento XVI de renunciar ao papado em 2013 e como papa Francisco lidou com sua inesperada chegada ao poder. Com sua renúncia, Bento, um grande defensor do conservadorismo e visto como o homem mais convencional da Igreja Católica, causou espanto não só aos membros da Igreja, como também à imprensa e à população.

 

LIVRO

Inspirada em sua própria trajetória, Louisa May descreve neste clássico a vida da família March, que, durante a Guerra Civil Americana, se depara com a partida de seu patriarca, deixando em casa a mulher e quatro filhas. Uma delas, Jo, opta pela carreira como escritora em vez de um casamento arranjado. As aventuras das irmãs, a saudade do pai que está na guerra, as doenças da época e a dificuldade que quatro mulheres enfrentavam naquela sociedade são reveladas para o leitor, através de uma descrição delicada, emocionante e atemporal.

 

 


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE