Cuiabá, 28 de Fevereiro de 2020

POLÍTICA
Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2020, 15h:30

NOVAS REGRAS

Estado deve contratar empresa para calcular impacto da nova Previdência em MT

Ana Adélia Jácomo
Única News

Mike Toscano/Gcom

O Governo do Estado de Mato Grosso deve apresentar, nos próximos 60 dias, o cálculo atuarial previdenciário, que vai definir os impactos das mudanças nas idades para aposentadoria, tempo de contribuição, assim como a situação dos militares, além de outros detalhes.

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou esta semana que a Reforma da Previdência no Estado foi dividida em partes e que uma equipe está debruçada sobre as novas regras para especificar o comportamento da previdência nos próximos 35 anos. A ideia é contratar uma empresa brasileira para demonstrar como será o desempenho da previdência e qual deve ser o novo déficit.

“A partir desse estudo, saberemos qual é o rombo, se ele vai existir e qual seu tamanho para os próximos 35 anos. Tendo esse número real, definiremos o que fazer para o enfrentamento disso. Se não fizermos nada, o cidadão vai pagar isso em forma de impostos”.

“Nós dividimos em partes. Essa estratégia foi usada aqui em Mato Grosso e em outros estados também. Aprovamos a alíquota de 14% e, a partir de agora, vamos discutir as regras gerais”, disse ele.

Mendes reforçou a necessidade de Mato Grosso se adequar, a fim de combater o rombo na ordem de R$ 1,3 bilhão por ano com a Previdência. “Se não enfrentar, quem vai pagar essa conta é o cidadão. Eu estou fazendo essas reformas defendendo o bolso do contribuinte”.

O Estado sustenta que, caso a reforma nãos seja feita, Mato Grosso passará a figurar entre os estados inadimplentes junto à União, o que inviabilizaria transferências voluntárias e aval federal para transações financeiras, como novos financiamentos, por exemplo.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE