Cuiabá, 02 de Abril de 2020

POLÍTICA
Quarta-feira, 12 de Fevereiro de 2020, 15h:39

PROJETO DE BOLSONARO

Emanuelzinho pede sensibilidade a Mauro Mendes para fixar ICMS dos combustíveis

Euziany Teodoro
Única News

O deputado federal Emanuelzinho (PTB) usou a tribuna da Câmara Federal para pedir que o governador Mauro Mendes (DEM) tenha sensibilidade e aceite projeto do presidente Jair Bolsonaro, que deve ser enviado ao Congresso nos próximos dias, propondo que a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis seja uma só nos âmbitos federal e estadual, reduzindo, assim, o preço dos produtos na bomba.

Emanuelzinho lembra que, do valor total dos combustíveis, cerca de 40% a 45% são referentes a impostos. “Não tem adiantado a política do preço adotada hoje. Baixa o preço na refinaria, mas os governadores têm a liberdade de aumentar esse valor quando chega ao Estado. Hoje as estimativas afirmam de 40% a 45% do preço final levado ao consumidor é de tributos estadual e federal”.

Segundo ele, o combustível em Mato Grosso é o sexto mais caro do país, atingindo todas as classes sociais. “Recentemente teve posicionamento da Casa Civil do Estado afirmando que não vai aceitar esse projeto do Governo Federal, mas eu venho fazer um apelo pedindo a sensibilidade ao menos dessa vez, para que ao menos dialogue tecnicamente com o Governo Federal”, pediu.

Para o deputado, a política de preços vai acabar “virando o jogo”, prejudicando empresários, causando desemprego e dedução de salários. “Não é justo com a população que você faça uma política de reajuste no Estado tributando, tributando e tributando. Peço que pelo menos dessa vez o Governo seja sensível, que deixe de pensar apenas em números e passe também as pensar nas pessoas, porque não são as pessoas que vivem para o Governo. É o Governo que vive pela população”, finalizou.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE