Cuiabá, 22 de Setembro de 2020

POLÍTICA MT
Quinta-feira, 13 de Agosto de 2020, 12h:12

CRIME ELEITORAL

Relator vota por cassar Neri Geller e julgamento é adiado novamente

Euziany Teodoro
Única News

(Foto: Divulgação)

O relator da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) que pode tirar o mandato do deputado federal por Mato Grosso, Neri Geller (PP), por suposto crime eleitoral, votou pela cassação do parlamentar, em sessão nesta quinta-feira (13). O desembargador Sebastião Barbosa, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), encontrou provas de abuso do poder econômico na campanha de 2018.

Apesar do voto, o julgamento foi mais uma vez adiado, por pedido de vista feito pelo juiz Sebastião Monteiro.

Barbosa votou por tornar Geller inelegível pelos oito anos subseqüentes à eleição de 2018, ou seja, até 2026. Além disso, pediu que os autos do processo sejam encaminhados para o Ministério Público Federal e Receita Federal, a fim de investigar crimes financeiros.

"Não se tratou de fato isolado ao longo da captação de recurso, mas sim uma prática corriqueira, que é inaceitável na ótica da transparência eleitoral", argumentou Barbosa.

Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, Geller gastou em sua campanha R$ 2,4 milhões, o que não excede o limite permitido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No entanto, doou R$ 1,3 milhão para 11 candidatos a deputado estadual, sendo que quatro destes foram eleitos. O valor extrapola o que poderia ser doado, correspondente a 10% dos rendimentos brutos, "desequilibrando o processo eleitoral com a força econômica, especialmente à luz da igualdade de condições entre todos os candidatos”.

Outro lado

O advogado de Neri Geller, Flávio Caldeira Barra, emitiu nota afirmando que todo o valor doado aos demais candidatos eram de sua conta como Pessoa Física, advindo de seu trabalho como produtor de seja e milho. Além disso, alega que o pedido de cassação sequer faz parte da ação do Ministério Público Eleitoral.

Veja a nota na íntegra:

Sobre o julgamento desta quinta-feira (13.08), o deputado federal Neri Geller tem a declarar que:

- Os motivos alegados para gerar a condenação não constam do pedido inicial formulado pelo MPE;

- O objeto da ação era a doação enquanto pessoa física a outros candidatos, o que foi validado a favor do parlamentar pelo próprio relator;

- Todos os recebimentos auferidos em sua conta bancária provêm exclusivamente de venda de soja e milho, fruto de sua atividade como produtor rural há mais de 20 anos;

- Para tal, a movimentação financeira pela venda e comercialização dos produtos foi comprovada no decorrer do processo não havendo qualquer irregularidade;

- O parlamentar segue tranquilo ciente de que, a seu tempo, os fatos serão devidamente esclarecidos. 

Advogado Flávio Caldeira Barra


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


MATÉRIA(S) RELACIONADA(S)




VÍDEO PUBLICIDADE