Cuiabá, 26 de Setembro de 2020

POLÍCIA
Sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2020, 17h:49

REPRESSÃO AO TRÁFICO

Politec identifica dois novos tipos de drogas circulando em Mato Grosso

Da Redação
Única News

Politec MT

A Perícia Oficial e Identificação Técnica de Mato Grosso (Politec) identificou, pela primeira vez, as drogas "psilocibina", também conhecida como “chá de cogumelo”, e "ADB Fubinaca", que faz parte da categoria dos canabinoides sintéticos no formato de micro selos.

O “chá de cogumelo” é um material vegetal de coloração marrom e enegrecida, apresentando fragmentos de píleos, lamelas e estipes, compatíveis com a apresentação morfológica de cogumelos.

A droga foi apreendida em uma festa noturna na região metropolitana. Na mesma festa também foram recolhidas diversas outras porções e tipos de drogas, como comprimidos de ecstasy, e porções de maconha e cocaína, cujas amostras foram posteriormente periciadas.

Conforme a portaria n o 344/98 da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde e suas atualizações, a substância está incluída na lista F2 de substâncias psicotrópicas de uso proibido no Brasil.

São consideradas substâncias entorpecentes ou capazes de determinar dependência física ou psíquica aquelas que assim forem especificadas em lei ou relacionadas pelo Serviço Nacional de Fiscalização de Medicina e Farmácia do Ministério da Saúde.

A ADB Fubinaca foi aprendida em 2018 no município de Canarana. A constatação da droga foi realizada com técnicas de Espectrometria de Infra Vermelho e Cromatografia Gasosa associada à Espectrometria de Massas.

O entorpecente estava depositado na forma de resquício aspergido por sobre o micro selo. Segundo o perito, a ADB Fubinaca imita o efeito da maconha.

“Os traficantes vão trocando os princípios ativos de acordo com o seu fornecedor para dificultar a detecção", explicou.

O perito observa que o surgimento de drogas sintéticas que antes eram raras se tornaram comum nos últimos nos dois anos em Mato Grosso. 

“O que tem acontecido é um aumento no encaminhamento de drogas sintéticas na forma de comprimidos e micro selos. Uma explicação plausível para este fato é a decorrência de que drogas clássicas como maconha e cocaína são mais fáceis de ser reconhecidas e detectadas e são transportadas em um volume maior, enquanto comprimidos podem se passar facilmente como medicamentos e micro selos, podendo ser facilmente camuflados", analisou.

Em 2019, a Gerência de Perícias de Química Forense realizou 7.680 perícias em drogas provenientes de todo o Estado.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.




VÍDEO PUBLICIDADE