Cuiabá, 28 de Setembro de 2020

GERAL
Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020, 12h:17

#JUSTICAPORBELE

Caso Isabele repercute nas redes sociais e usuários clamam por Justiça

Vithória Sampaio
Única News

(Foto: Reprodução)

O caso da morte de Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, virou assunto nacional e está repercutindo nas redes sociais. Milhares de usuários do Twitter iniciaram a hashtag #justicaporbele. A ação teve início na noite dessa quinta-feira (13) e viralizou na manhã de hoje (14), subindo para o “Trending in Brazil”, top dos assuntos mais comentados da rede social.

No Instagram, páginas famosas de todo o Brasil têm compartilhado o caso. O objetivo é buscar a justiça pela morte da adolescente.

(Foto: Reprodução)

isabele

 

Os usuários relatam a indignação sobre o caso e procuram respostas.

“Indignação por todas as mentiras contadas durante todo o caso. Os familiares e amigos precisam da verdade. Ela precisa, com a verdade e apenas com a justiça, ela poderá descansar em paz. Todos nós suplicamos por isso! #Justicaporbele!”, escreveu um internauta.

No Instagram, uma das digitais influencers, Emanuele Rezende, citou o caso em pedido para que as pessoas comentem mais sobre o assunto. Ela ainda aproveitou para mandar votos de conforto à mãe de Isabele.

“Eu gostaria de mandar um abraço para essa mãe e dizer que quando uma mãe perde um filho, todas as outras também perdem”, pontou.

Relembre o caso:

Isabele Guimarães foi encontrada morta no banheiro da casa da amiga B.O.C., no dia 12 de julho, por volta das 22h30. Ela foi atingida com um tiro na cabeça, no condomínio Alphaville I, em Cuiabá.

Na casa da acusada, foram encontradas outras sete armas que pertenceriam ao pai dela, o empresário Marcelo Cestari. Ele é atirador esportivo e a menina também praticava o “esporte”. A arma usada no acidente foi uma pistola PT 380. Logo após o disparo, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada e constatou a morte da vítima.

A Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) também esteve no local. A menor era filha do médico neurocirurgião Jony Soares Ramos, que morreu aos 49 anos, em um acidente automobilístico na MT-251. O acidente aconteceu em 2018.

Cestari foi preso no mesmo dia, mas pagou fiança de um salário mínimo, R$ 1.045, e foi liberado. O Ministério Público busca aumentar o valor da fiança, que acabou fixada em apenas R$ 52 mil, para 100 salários mínimos. No então, ainda não há decisão.

A mãe de Isabele, em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo, afirmou que sabia que a família praticava tiro esportivo, mas não sabia “que havia um arsenal na casa”. Além disso, ela não acredita na alegação de tiro acidental.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


MATÉRIA(S) RELACIONADA(S)




VÍDEO PUBLICIDADE