Cuiabá, 18 de Fevereiro de 2020

ECONOMIA
Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2019, 09h:55

4° MAIOR MONTADORA DO MUNDO

Fiat Chrysler e Peugeot anunciam acordo de fusão

Juntas, formarão a quarta maior montadora do mundo, com marcas como Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën. Plano já tinha sido anunciado em outubro, mas ainda não há detalhes sobre eventuais impactos no Brasil.

Por G1

(Foto: G1 Carros)

Os conselhos da montadora francesa PSA, dona da Peugeot, e da Fiat Chrysler (FCA) aprovaram nesta quarta-feira (18) um acordo para uma fusão, concretizando a negociação que foi anunciada em outubro passado.

Juntas, as empresas formarão a quarta maior montadora do mundo, cujo nome ainda não foi divulgado. Ela terá marcas como Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën.

As fabricantes não divulgaram de imediato se haverá algum impacto nas operações brasileiras em decorrência da fusão. O G1 procurou a PSA e FCA para que comentassem, mas não teve retorno até a última atualização da reportagem.

A Fiat Chrysler tem duas fábricas no país, uma em Betim (MG) - a maior do Brasil - e outra em Goiana (PE). A PSA produz carros em Porto Real (RJ).

 

Detalhes sobre a fusão:

 

 

  • Fusão criará a 4ª maior fabricante de veículos do mundo, com 8,7 milhões de unidades vendidas;

 

  • A FCA teria acesso às plataformas de veículos mais modernas da PSA, ajudando-a a cumprir regras rígidas de novas emissões;

 

  • Todos os segmentos serão considerados, de carros de luxo, a SUVs, picapes e comerciais leves;

 

  • Foco será em duas plataformas: uma pequena e uma compacta/média;

 

  • Total de 3,7 bilhões de euros em economias anuais;

 

  • Custo total para alcançar essas economias é estimado em 2,8 bilhões de euros;

 

  • Fusão terá proporção 50/50;

 

  • Empresa controladora do grupo será sediada na Holanda;

 

  • Não são considerados fechamentos de fábricas;

 

  • O atual executivo-chefe da Peugeot, Carlos Tavares, será o CEO e membro do conselho em um mandato inicial de 5 anos;

 

  • O atual presidente da FCA, John Elkann, será o presidente do novo grupo;

 

  • Nome do grupo ainda não foi definido.

 

De acordo com um comunicado conjunto das marcas, a fusão vai ajudar a nova montadora a lidar com os grandes desafios do setor, incluindo a desaceleração global da demanda e a necessidade de desenvolver carros que poluam menos, para atender às regras de emissões de gases.

Com isso, as fabricantes se beneficiarão pela força de cada uma em diferentes mercados. Enquanto a FCA utilizará da força da PSA na Europa, a PSA buscará oportunidades pela sólida posição da FCA nos Estados Unidos.

Ao todo, o grupo será composto pelas marcas Abarth, Fiat, Jeep, Dodge, Lancia, Ram, Chrysler, Alfa Romeo, Maserati, Peugeot, Citroën, DS, Opel e Vauxhall, permitindo atender mercados de massa e carros premium, bem como para caminhões e veículos comerciais leves.

O conselho do novo grupo será formado por 11 membros, com a maioria independente. Cinco membros serão nomeados pela FCA, enquanto outros cinco serão indicados pela PSA. Carlos Tavares, o CEO, será o 11º membro.

Antes da conclusão do negócio, a FCA distribuirá um dividendo de 5,5 bilhões de euros aos seus acionistas, enquanto a PSA fará a distribuição aos seus acionistas a sua participação de 46% na Faurecia, fabricante de autopeças.

O acordo aprovado nesta terça determina ainda que a unidade de robôs, Comau, permanecerá dentro do grupo combinado, em vez de ser desmembrada, como foi planejado originalmente em outubro. O novo grupo avaliará como extrair valor da Comau.

A finalização da proposta deverá acontecer entre 12 e 15 meses a partir deste anúncio, sujeita às aprovações de acionistas. Uma teleconferência irá explicar mais detalhes sobre o acordo ainda nesta quarta-feira.

 

Sem fechar fábricas

 

Carlos Tavares, executivo-chefe da Peugeot, disse que espera que as companhias não tenham que fazer amplas concessões para verem a fusão ser aprovada por autoridades de defesa da concorrência, mas acrescentou que elas estão preparadas para isso. Ele não deu detalhes.

Um dos pontos mais críticos do acordo são as potenciais demissões. O grupo combinado tem atualmente cerca de 400 mil funcionários e governos da Itália e de Paris estão preocupados com as potenciais implicações da operação na força de trabalho local.

Tavares reafirmou que as montadoras poderão alcançar bilhões de euros em economias anuais de custos sem ser preciso fechar fábricas. Mas ele não excluiu a possibilidade de demissões ao ser questionado a respeito: "Trata-se da indústria de veículos, não da PSA."

"As margens continuam pressionadas e você tem que ficar constantemente buscando ganhos de produtividade", acrescentou.

 

FCA já negociou outras alianças

 

Não é a primeira vez que o Grupo FCA, fundado em 2014, busca formar alianças com outras empresas do setor automotivo. Em 2015, apresentou propostas para uma fusão com a General Motors, que recusou de imediato por e-mail.

Na época, o então presidente-executivo da FCA, Sergio Marchionne, morto em 2018, disse que a indústria automobilística precisa de outra rodada de consolidação para repartir os custos de desenvolvimento de carros mais ecológicos e inteligentes, além de reduzir o número de montadoras.

Em 2017, Marchionne também apresentou o desejo de uma fusão entre a FCA e a Volkswagen — e recebeu mais uma resposta negativa.

Porém, mesmo com a morte de Marchionne, o grupo ítalo-americano não deixou de lado a vontade do ex-chefão e, no início de 2019, procurou a Renault para propor uma fusão. A ação gerou atritos na aliança Renault-Nissan e a japonesa chegou a dizer que iria rever a aliança caso a francesa aceitasse a proposta.

Pouco tempo depois, a própria FCA desistiu de concretizar o negócio, culpando o governo francês por suas condições políticas, e agradecendo à Renault, Nissan e Mitsubishi.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE