Cuiabá, 28 de Novembro de 2020

COMPORTAMENTO
Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020, 15h:33

EFEITOS NOCIVOS

Pensamentos para evitar no retorno ao trabalho pós-coronavírus

Murilo Bonfim
EXAME

(Foto: Duangjai Manoonthamporn / EyeEm/Getty Images)

Em março, a pandemia da covid-19 chegou – e a preocupação foi generalizada. Quem podia, ficava em casa, dividindo o tempo entre trabalho, conferências e lives. Higiene era um ponto crítico, e cada item comprado no supermercado era limpo antes de entrar na geladeira.

Corta para julho. A preocupação é um pouco menor, os números alarmantes já soam como mera estatística, o número de pessoas que arriscam sair de casa é maior. Mais uma live? Talvez não precise higienizar cada comprinha.

Se você se identifica com a descrição, saiba que não está só. “Tivemos uma restrição muito inesperada, e reagimos diante de uma circunstância incerta”, diz Flávia Ávila, especialista em economia comportamental. “O problema é que não conseguimos agir contra um hábito que já temos: é um despendimento de energia muito grande, e o cérebro faz tudo para evitar este trabalho.”

Trata-se do fenômeno da fadiga da quarentena que, segundo Ávila, faz com que a mente busque razões para justificar os comportamentos que, no fundo, desejamos ter.

Se você se identifica com a descrição, saiba que não está só. “Tivemos uma restrição muito inesperada, e reagimos diante de uma circunstância incerta”, diz Flávia Ávila, especialista em economia comportamental. “O problema é que não conseguimos agir contra um hábito que já temos: é um despendimento de energia muito grande, e o cérebro faz tudo para evitar este trabalho.”

Trata-se do fenômeno da fadiga da quarentena que, segundo Ávila, faz com que a mente busque razões para justificar os comportamentos que, no fundo, desejamos ter.

Com diversas regiões do país intensificando seus processos de reabertura, a volta ao escritório exige o cumprimento de protocolos. Para Ávila, o risco é ficar relaxado demais nos cuidados e, consequentemente, ampliar o risco de infecção. Em conversa com a reportagem da EXAME, ela deu dicas sobre pensamentos a evitar.

1. Cansaço da quarentena

A quarentena cansa, mas o ideal é não focar muito nesta sensação. Em vez disso, pense na importância de se proteger e manter os protocolos de higiene para reduzir os riscos de contaminação.

2. Heurística da disponibilidade

É o pensamento “Não conheço ninguém que voltou ao trabalho e foi contaminado, logo, é seguro que eu volte também”. O fato de as infecções não terem ocorrido em pessoas próximas não quer dizer que não possa acontecer com você.

3. Excesso de otimismo

“Faço exercícios e sou mais saudável do que a maioria, logo, estou mais preparado para enfrentar a doença.” A ideia de que a covid-19 só causa danos mais relevantes em pessoas dos grupos de risco é controversa. Em alguns casos, jovens saudáveis também sofreram impactos.

4. Gratificação imediata

“Não aguento mais ficar em casa, prefiro correr o risco de ficar doente e ir trabalhar.” Quando estamos cansados da quarentena, tendemos a minimizar a gravidade das consequências para que possamos nos sentir autorizados a ter comportamentos nem sempre adequados.

5. Aversão à perda

É quando uma consequência negativa traz mais descontentamento do que uma consequência positiva traz felicidade. “Perder o emprego importa mais do que me manter a salvo da doença.”


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


MATÉRIA(S) RELACIONADA(S)




VÍDEO PUBLICIDADE