Cuiabá, 10 de Agosto de 2020

CIDADES
Quarta-feira, 01 de Julho de 2020, 19h:09

LUTO NA COMUNIDADE CIGANA

Cigano de apenas 30 anos morre em Cuiabá pela Covid-19 e comunidade lamenta

Euziany Teodoro
Única News

Arquivo pessoal

O jovem José Roberto Martins Júnior, de apenas 30 anos, faleceu nesta quarta-feira (01.07), devido a complicações causadas pela Covid-19. Ele estava internado no hospital de referência da Capital, o antigo Pronto Socorro, desde o dia 20 de junho. Não foi informado se tinha outras comorbidades.

Jhotinha, como era conhecido, fazia parte da comunidade cigana de Mato Grosso. A Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT) comunicou a morte e os membros disseram sentir "uma dor absoluta" por não poder fazer o ritual fúnebre, que é um princípio central ao povo cigano.

"Ressaltamos que nos abster de prestar as últimas homenagens do ritual fúnebre, um princípio central na cultura cigana calon, é de uma dor absurda, porque perdemos o contato e o conforto da presença física dos nossos entes queridos. Entretanto, diante do cenário pandêmico e as recomendações dos órgãos de saúde respeitamos e entendemos que o momento é de isolamento social", escreveu a Associação.

A AEEC-MT ainda prestou as condolências aos pais e irmãos de José Roberto. "As nossas condolências e sentimentos aos seus pais Abigail Alves Martins e José Roberto Martins e irmão Izidorio Martins. Que nosso senhor Jesus Cristo conforte os vossos corações neste momento de luto".

Veja a nota na íntegra

Com profundo pesar, a Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT) comunica o falecimento de José Roberto Martins Júnior, nesta quarta-feira (01.07), devido a complicações causadas pela Covid-19.

As nossas condolências e sentimentos aos seus pais Abigail Alves Martins e José Roberto Martins e irmão Izidorio Martins. Que nosso senhor Jesus Cristo conforte os vossos corações neste momento de luto.

Jhotinha, como também era carinhosamente chamado pela família e amigos, tinha 30 anos e estava internado no Pronto Socorro Municipal de Cuiabá (PSMC) desde o último dia 20 de junho (sábado).

Ressaltamos que nos abster de prestar as últimas homenagens do ritual fúnebre, um princípio central na cultura cigana calon, é de uma dor absurda, porque perdemos o contato e o conforto da presença física dos nossos entes queridos.

Entretanto, diante do cenário pandêmico e as recomendações dos órgãos de saúde respeitamos e entendemos que o momento é de isolamento social.

Deste modo, a AEEC-MT reforça a todo o poder público a importância de realizar um plano emergencial de prevenção e enfrentamento ao Covid-19 voltado especificamente para os povos e comunidades tradicionais, especialmente, as comunidades ciganas.

Associação Estadual das Etnias Ciganas de Mato Grosso (AEEC-MT)


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


MATÉRIA(S) RELACIONADA(S)




VÍDEO PUBLICIDADE