Cuiabá, 20 de Setembro de 2019

VOLTA AO MUNDO
Sexta-feira, 09 de Agosto de 2019, 10h:18

DISPOSITIVO ERA PROIBIDO

EUA voltam a autorizar 'bombas de cianureto' contra animais selvagens

Dispositivo havia sido proibido depois de ferir uma criança; em 2018, 6.579 animais morreram em decorrência do efeito dele, entre eles guaxinins, gambás e um urso.

Por France Presse

Foto: California Department of Fish and Wildlife/AP

O governo do presidente americano Donald Trump, dos Estados Unidos, voltou a autorizar as armadilhas venenosas conhecidas como "bombas de cianureto" para matar raposas, coiotes e cães selvagens apesar da forte oposição dos grupos de conservação.

Os dispositivos, conhecidos como M-44, são implantados no solo e se assemelham a irrigadores de gramado. Eles usam um ejetor de molas para liberar cianureto de sódio quando um animal atraído por uma isca puxa um suporte do compartimento da cápsula.

O governo havia vetado o uso desses dispositivos no ano passado, após um deles ferir uma criança e matar o cachorro dela no estado do Idaho. A família da criança também abriu uma ação contra o governo federal.

A decisão de restabelecer o uso indignou grupos ambientalistas que enviaram para Agência de Proteção Ambiental mais de 20 mil cartas de protesto.

"São incrivelmente perigosas para as pessoas, seus animais de estimação e animais selvagens ameaçados, elas são muito perigosas para serem usadas", disse à AFP Collette Adkins, diretora de conservação de carnívoros do Centro para a Diversidade Biológica.

"A indústria pecuária quer isso", disse, e acrescentou que os grupos da indústria agrícola enviaram cerca de dez comentários a favor do liberação dos M-44 à EPA.

Segundo dados do governo, os M-44 mataram 6.579 animais em 2018, incluindo mais de 200 animais "não objetivo", entre eles guaxinins, gambás e um urso.

Adkins disse que sua organização continuará pressionando por proibições em nível estadual, a última das quais foi aprovada por Oregon em maio.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE