Cuiabá, 17 de Agosto de 2019

VOLTA AO MUNDO
Quarta-feira, 22 de Maio de 2019, 10h:48

INDONÉSIA

Confrontos após reeleição de Widodo deixam mortos

Distúrbios em Jacarta ainda deixaram 200 feridos. Ex-general Prabowo Subianto, que perdeu a eleição para Widodo, disse que irá pedir a impugnação da eleição.

Foto: Associated Press

Seis pessoas morreram e outras 200 ficaram feridas em confrontos de eleitores contrários à reeleição do presidente da Indonésia, Joko Widodo, e a polícia, em Jacarta, entre a noite de terça-feira (21) e esta quarta (22).

O governador da capital do país, Anies Baswedan, divulgou o balanço de vítimas em conversa com a imprensa local após visitar o hospital Tarakan, no centro da capital. A polícia informou que pelo menos 60 pessoas foram detidas, de acordo com a Efe.

 
 
 
  
Protestos após reeleição de presidente deixam seis mortos na Indonésia

Protestos após reeleição de presidente deixam seis mortos na Indonésia

O candidato à presidência derrotado, o ex-general Prabowo Subianto, acusou Widodo de fraude nas eleições do dia 17 de abril e anunciou que pedirá a impugnação do resultado perante o Tribunal Constitucional, enquanto seus partidários se manifestavam desde ontem nas ruas.

Os incidentes começaram à noite no fim de um protesto pacífico de seguidores de Prabowo, liderados por grupos islâmicos, que se reuniram em frente à sede da Agência de Supervisão Eleitoral na capital e da comissão eleitoral.

 
Manifestante tentam apagar fogo durante protesto em Jacarta, na Indonésia, nesta quarta-feira (22)  — Foto: Dita Alangkara/AP

Manifestante tentam apagar fogo durante protesto em Jacarta, na Indonésia, nesta quarta-feira (22) — Foto: Dita Alangkara/AP

Milhares de pessoas ainda estavam nesta manhã jogando pedras e coquetéis molotov na polícia, que responderam atirando balas de borracha e gás lacrimogêneo.

A situação se acalmou com a chegada de um contingente de soldados que foram colocados entre a polícia e os manifestantes.

O porta-voz da polícia de Jacarta, Prabowo Argônio Yuwono, disse que eles estavam fazendo a segurança das áreas onde acontecem os distúrbios, no centro de Jacarta, e evitou dar informações sobre mortos e feridos.

Cerca de 32 mil agentes protegem as sedes das duas instituições com arame farpado e veículos de choque, esperando novos protestos durante o dia na capital do país.

 
Manifestantes queimam barracos durante protestos em Jacarta — Foto: Dany Krisnadhi / AFP Photo

Manifestantes queimam barracos durante protestos em Jacarta — Foto: Dany Krisnadhi / AFP Phot

Os distúrbios ocorreram depois que a Comissão Eleitoral da Indonésia (KPU, sigla em indonésio) confirmou a vitória de Widodo nas eleições com 55,5% dos votos, contra 44,5% obtidos por Prabowo, que rejeitou assinar a ata dos resultados eleitorais.

Widodo, de 57 anos, é considerado um muçulmano moderado em um país no qual o islã conservador está avançando. O seu vice, Ma'ruf Amin, é um pregador conservador escolhido para conquistar o eleitorado religioso.

Durante a campanha, Subianto, de 67 anos, se aproximou dos grupos islâmicos mais radicais. O seu companheiro de chapa era Sandiaga Uni, um ex-empresário.

 
Presidente reeleito da Indonésia, Joko Widodo, visita subúrbio de Jacarta nesta terça-feira (21)  — Foto: Goh Chai Hin / AFP

Presidente reeleito da Indonésia, Joko Widodo, visita subúrbio de Jacarta nesta terça-feira (21) — Foto: Goh Chai Hin / AFP


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE