Cuiabá, 13 de Dezembro de 2018

VOLTA ATRÁS

Sexta-feira, 13 de Abril de 2018, 09h:31 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

A pedido de Temer, Marun desiste de pedir impeachment de Barroso

Na opinião do presidente, mesmo que o ministro se licencie de cargo, ação dará a impressão de ter sido executada pelo governo

Notícias ao Minuto

(Foto:Pilar Olivares/Reuters)

 

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nessa quinta-feira, 12, que desistiu da ideia de apresentar um impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luis Roberto Barroso, a pedido do presidente Michel Temer.

"O presidente entende que não há como, não é o fato de eu me licenciar, e apresentar esse pedido de impeachment na condição de parlamentar, que vai afastar a impressão de que isso seria uma ação de governo", destacou.

Segundo Marun, Temer colocou que não gostaria que isso se transformasse numa ação de governo, pois neste momento o pensamento do governo é de "pacificação". Apesar de confirmar que não fará mais o pedido enquanto for ministro, Marun repetiu as críticas feitas a Barroso, e disse ter convicção de que o ministro do STF "tem desrespeitado a Constituição nas suas decisões e tem deixado com que suas preferências político-partidárias se revelem nas suas decisões".

Marun afirmou que o cumprimento da Constituição é o único caminho "para que o Brasil continue avançando" e voltou a dizer que Temer sofre "ataques" e "perseguições". "A perseguição é real. A conspiração contra Temer aconteceu, continua e se agudiza", afirmou.

O ministro tentou se esquivar de comentar a informação, revelada hoje pelo jornal Folha de S.Paulo, de que a esposa do coronel João Batista Lima Filho, amigo de Temer, pagou em dinheiro vivo uma reforma no apartamento de uma das filhas do presidente. A PF suspeita que a obra tenha sido paga com dinheiro de propina da JBS.

Lima foi preso por três dias no final de março, alvo da operação Skala. Sua esposa foi intimada a depor. "Não sei se fornecedor de serviço está dizendo a verdade; não tenho como afirmar que isso é verdade", disse.

"Vejo como mais um capítulo da perseguição contra o presidente", completou. Marun disse ainda que é preciso parar de considerar verdade tudo que os delatores falam. "Já aprendemos a navegar na tempestade", ponderou.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Nov 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br