Cuiabá, 17 de Julho de 2018

MANIFESTAÇÃO A LULA

Sexta-feira, 13 de Abril de 2018, 10h:00 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

PT rebate declarações de Taques e lembra de esquema na gestão

Da Redação

(Foto: Leonardo Benassatto/Reuters)

 

O PT de Mato Grosso divulgou uma nota em resposta às declarações do governador Pedro Taques (PSDB), que criticou as manifestações ocorridas em São Bernardo do Campo em defesa do ex-presidente Lula, um dia antes e no dia de sua prisão. No comunicado, o partido rebate ponto a ponto as falas de Taques e lembra das acusações que correm contra a própria gestão. 

 

Taques havia classificado os atos em São Bernardo como "verdadeira palhaçada, um deboche às instituições, que precisam ser obedecidas em uma democracia". "O que foi feito em São Bernardo foi a demonstração da necessidade de nossa evolução como civilização. Isso não aconteceria em um país sério", declarou ainda.

 

Leia nota na íntegra: 

 

"O PT concorda em dois pontos com o Governador: que se estivéssemos num país sério isso não aconteceria e que ninguém está acima da Constituição, pois se assim fosse, o presidente Lula não estaria sendo preso por uma acusação leviana, sem provas, baseada em convicções fundamentadas em ilações da imprensa golpista cuja sanha desde que Lula é líder sindical, passando pela presidência da república é ver o maior líder popular brasileiro e o melhor presidente da república de todos os tempos atrás das grades para aprisionar o que ele representa para o povo brasileiro.

 

Que ninguém está acima da constituição, nem mesmo um Juiz de primeira instância, que se estivesse num país sério teria sido expulso da magistratura ao divulgar em primeira mão para a rede Globo escutas telefônicas ilegais de uma presidenta honesta visando tumultuar o processo democrático e contribuir para a sua deposição como fez o Juiz Sérgio Moro e que mandou prender Lula desrespeitando o devido processo legal, assim como o STF desrespeitou a constituição ao negar a Lula o que está previsto em seu artigo 5º, inciso LVII, que preceitua que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória", diferentemente do tratamento dado a Aécio, Serra, Alckmin, tucanos de alta plumagem, amigos do governador,  envolvidos em crimes com fartas provas cujo tratamento por parte do Judiciário e do STF é totalmente diferente do que é dado a Lula, como resultado de “um grande acordo nacional, com o Supremo, com tudo...” conforme afirmado pelo senador golpista Romero Jucá.

 

Concordamos também que “é uma verdadeira palhaçada, um deboche às instituições”, observar que um governador de Estado que se elegeu senador em 2010, tendo sido beneficiário de um processo de registro de candidatura cuja ata que homologou seu nome e seus suplentes foi totalmente fraudada conforme já constatado através de perícia da Polícia Federal, tenha o disparate de falar mal de Lula.

 

É igualmente um deboche constatar que a SEDUC foi tomada de assalto por uma quadrilha cujo principal líder é financiador do suposto “caixa 2” da campanha do Governador Pedro Taques em 2014 e que desviou R$ 56.000.000,00 através do superfaturamento de obras de construção de escolas conforme apontaram as operações Rêmora e Grão Vizir e que até o momento somente foram ouvidos e presos os operadores do esquema e não “o seu chefe ou sultão”, pois afinal, pela teoria do domínio do fato defendida pelos tucanos, “ele tinha que saber de tudo”.

 

É um deboche e uma palhaçada constatar que esse governo de Pedro Taques aplicou somente 24,86% das receitas provenientes de impostos e transferências na manutenção e desenvolvimento do ensino em Mato Grosso incluindo os gastos com a UNEMAT, que deveriam estar fora desse percentual, e portanto, abaixo do mínimo constitucional previsto na Constituição Federal que é de 25% e o governador não responde nenhum processo por isso.

 

Assim como é também um deboche o desvio dos recursos do FUNDEB no ano de 2017 pertencente aos municípios e a própria SEDUC, um escândalo sem precedentes na história de Mato Grosso e do país, comprometendo seriamente as condições mínimas de funcionamento das escolas e o pagamento dos profissionais da educação bem como a aprovação das contas das prefeituras junto aos órgãos de controle externo em função da não aplicação dos mínimos constitucionais no ensino.

 

A “grampolândia pantaneira” é outro escândalo de repercussão nacional que veio à tona em maio de 2017, quando o ex-secretário de Segurança Pública Mauro Zaque declarou que o governador Pedro Taques, desde 2015 tinha ciência do esquema de arapongagem existente na equipe para espionar adversários dentre os quais advogados, juízes, políticos, promotores e até mesmo seu vice-governador, o que culminou com a prisão de seu primo e ex-chefe da casa Civil e mais outros assessores diretos. Aliás, esse governo é recordista em secretários, adjuntos e auxiliares presos pelo cometimento de crimes durante a gestão.

 

Por tudo isso não pode alguém com tão baixa estatura moral e ética como é o caso do Governador Pedro Taques do PSDB, que enganou por pouco tempo o povo Mato-grossense, achar-se no direito de questionar qualquer ato realizado por milhares de trabalhadoras (es), em defesa da liberdade do ex-presidente Lula, maior líder político Latino Americano e mundial na atual conjuntura, e único candidato capaz de devolver a auto estima ao nosso povo e recolocar o Brasil nos trilhos do desenvolvimento com distribuição de renda e justiça social.

 

Cuiabá-MT, 12 de abril de 2018.

 

DIRETÓRIO ESTADUAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES – PT/MT" (Com Brasil 247)

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Junho 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br