Cuiabá, 11 de Dezembro de 2018

FRAUDE NA ATA

Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018, 12h:47 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

TSE mantém Medeiros no Senado e advogado critica Taques por defender Fiúza

Luana Valentim
Da Redação

Foto: (Luana Valentim)

Medeiros, coletiva

 

O senador José Medeiros (Podemos), candidato a deputado federal, voltou a reiterar nesta quarta-feira (15), em coletiva de imprensa no Hotel Paiaguás, que a sua cassação se trata de ‘forças ocultas’, para poder tirá-lo do páreo na disputa pela Senatoria. Mas, nessa terça-feira (14), o Tribunal Superior eleitoral emitiu uma decisão mantendo-o no cargo.

 

Medeiros foi cassado, ao ser acusado de ter fraudado uma ata referente as eleições de 2010. Ele reafirmou que na época, desistiu de sua candidatura a deputado federal para assumir o lugar do deputado estadual Zeca Viana (PDT) como 1º suplente de Pedro Taques (PSDB) que disputava ao Senado.

 

“Eu assumi a primeira suplência, pois Zeca estava saindo pelo fato de que Pedro só tinha 2% de intenção de votos. E Zeca era candidato a 1º suplente. Não tinha como eu ser outra coisa”, destacou.

 

Medeiros ainda ponderou que quando Taques foi eleito, veio a expectativa de que ele se candidatasse a governador. Quanto a ata, ele disse que nunca passou perto dela, somente ouviu falar e que apenas assinou um Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários – o Drap - de 1º suplente junto ao Tribunal Regional Eleitoral.

 

O senador explicou que decidiu por disputar a federal, pois observou que acabaria sacrificando toda a sua chapa com uma candidatura avulsa na majoritária.

 

Quanto a posição do TSE de suspender a decisão do TRE mantendo o mandato de Medeiros, o advogado do senador, Zaid Arbid, explicou que com a aplicação da minirreforma eleitoral de 2015 todos os recursos interpostos contra a cassação de mandato, ganhou efeito suspensivo automático.

 

“Quer dizer, profere e publica acordão, você interpõe o recurso e nada se executa desse acordão enquanto ele não for apreciado pela instância superior”, explicou o advogado.

 

Já sobre a declaração do governador defendendo que em sua campanha, em 2010, sempre citou que Paulo Fiúza seria o seu primeiro suplente, Zaid disse que Taques entende muito de Grampolândia e deveria cuidar deste assunto ao invés de ficar fazendo ‘cortinas de fumaça’ para desviar o foco, sendo a pessoa menos recomendada para ter crédito em suas declarações.

 

Ele ainda declarou que Paulo Taques – na época, era assessor jurídico de Taques e recebeu a ata – apesar de ser acusado de ter sido o fraudador desta ata, merece todo o respeito, não acreditando na sua culpa. E que Taques virou político e hoje tem o sabor amargo de sua má-gestão, não entendendo de ata.

 

“Ele hoje é pessoa menos recomendada a falar deste assunto, que eu saiba ele não entende de ata, nem de fraude, ele entende é de Grampolândia”, ironizou.

 

Ele ainda explicou que a fraude não prevê a inelegibilidade de Medeiros, podendo ele continuar na disputa eleitoral. E sendo uma chapa una, vê atividades de ‘forças ocultas’ que apenas julga Medeiros como fraudador da ata, ou seja, excluiu Taques da culpa.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Nov 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br