Cuiabá, 15 de Dezembro de 2018

OPERAÇÃO BERERÉ

Quinta-feira, 08 de Março de 2018, 11h:54 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Riva entrega Savi, Paulo Taques e Botelho como beneficiados em esquema no Detran

Wellyngton Souza

(Foto: TJ-MT)

Riva-preso.jpg

 

O ex-deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, disse em depoimento na Polícia Civil, em 22 de fevereiro, que teria ouvido do deputado Mauro Savi (PSB), que dividia o dinheiro de propina em desvios no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) com o ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

 

Riva teria contado ainda aos delegados que atuam na investigação da operação Bereré, deflagrada no dia 19 de fevereiro, pelo Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Delegacia Fazendária (Defaz), que a propina ainda era dividida com o presidente da AL, Eduardo Botelho (PSB) e o ex-deputado federal Pedro Henry.

 

A operação apura a existência de uma suposta organização criminosa para desvios de recursos no órgão. O esquema foi denunciado pelo irmão do ex-governador, Silval Barbosa, Antônio Barbosa, em delação já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Riva afirmou que em 2010 foi procurado por Savi, que teria revelado a ele sua participação em um esquema de propinas no Detran. O parlamentar teria oferecido uma parte no “negócio” para Riva, que alegou aos delegados não ter se interessado e nem procurado novamente por Savi para avançar na concretização dos repasses.

 

Já em 2014, ao ser novamente procurado por Savi, que teria pedido ao hoje ex-deputado dinheiro para financiar sua campanha, Riva negou a ajuda. O argumento usado foi o de que Savi “já recebia muitas propinas do Detran”. Em resposta, Savi teria dito que “as propinas do Detran não ficavam só para ele, eis que tinha que dividi-la com Pedro Henry, Eduardo Botelho e até para Paulo Taques”.

 

Operação

 

Até o momento, 49 pessoas figuram na condição de investigadas e a Justiça determinou o bloqueio de R$ 27,7 milhões dos suspeitos, montante que os responsáveis pela investigação acreditam terem sido desviados. Foram cumpridos mandados na casa do presidente da Assembleia Legislativa e no gabinete do deputado Mauro Savi (PSB), e nas casas de servidores públicos e empresários.

 

De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), os mandados de busca e apreensão foram determinados pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). A operação ainda fez buscas em Sorriso (a 420 km de Cuiabá) e em Brasília, no Distrito Federal. Em Sorriso, a polícia faz buscas na casa do empresário Valdir Daroit, irmão da ex-mulher do deputado Mauro Savi.

 

O esquema é investigado pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Defaz) em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco).

 

Outro lado

 

Mauro Savi negou ser beneficiário de esquema bem como que tenha mantido tal conversa com Riva. Destacou que irá se pronunciar no âmbito do inquérito, quando ele for instaurado. Já Paulo Taques, ao negar a acusação, afirmou que, na época, sequer conhecia Savi.

 

“O Senhor Riva está mentindo e deve estar confuso com tantos fatos criminosos para se lembrar”, disse. Por fim, Eduardo Botelho, que também negou ser beneficiário da suposta propina, disse que Riva “falou besteira”. A reportagem não localizou Pedro Henry. (Com informações do Gazeta Digital)

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Nov 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br