Cuiabá, 22 de Outubro de 2018

POR AÇÕES NA JUSTIÇA ELEITORAL

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2018, 17h:44 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Para juristas, mesmo que Selma seja diplomada há risco de cassação

Luana Valentim
Da Redação

Foto: (Facebook)

SELMA

 

A nova senadora, Selma Arruda (PSL) eleita com 678.542 mil votos neste domingo (7), corre o risco apesar da votação elevada, de ter o mandato cassado por conta de ações que pesam contra ela na Justiça Eleitoral, dentre elas uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral que segue em segredo de Justiça.

 

A juíza venceu o pleito, surpreendendo a classe política e, sobretudo, as pesquisas que a colocavam empatada na disputa pela segunda vaga com o deputado federal tucano Nilson Leitão. Chegando em alguns a ficar em terceiro lugar empatada com dois outros postulantes a Senatoria, o Procurador Mauro e o social democrata Carlos Fávaro.

 

E em todo o pleito, todos institutos de pesquisas, sem exceção, deram a liderança para o ex-governador Jayme Campos (DEM). 

 

O site Única News conversou com os advogados Rodrigo Cyrineu e Antônio Rosa nesta quinta-feira (11), para entender o que pode ocorrer se supostamente a ex-juíza perder seu mandato. E, assim, quais seriam as alternativas constitucionais – sob o olhar da nova Lei Eleitoral -, se a vaga for aberta na disputa para o Senado.

 

Ambos afirmaram que caso haja uma decisão em contrário, resultando em vacância no Senado, o Supremo Tribunal Eleitoral - pela ADI 5619 -, determina que as candidaturas majoritárias, em caso de cassação, deverão passar por uma nova eleição. 

 

“O que prevalece é a regra da Constituição Federal, que prevê uma nova eleição para o cargo vago, ou seja, para ocupar a vaga deixada por Selma Arruda. Ou seja, a vaga conquistada pelo democrata Jayme Campos, estará intocada”, explicou Rodrigo Cyrineu.

 

Ele ainda informou que a Lei Eleitoral prevê um prazo de um ano para que esse processo seja encerrado, podendo ser diplomada e dentro deste período sofrer a cassação. No entanto, ele destacou que por desconhecer o processo não pode dizer com toda a certeza o que pode vir acontecer com a juíza aposentada, apenas esclarece o que determina a Lei.

 

Já o advogado, especialista em Lei Eleitoral, Antônio Rosa, pontuou que primeiro o caso de Selma terá que ser julgado no TRE de Mato Grosso, cabendo recurso junto ao TSE. E por ser instância ordinária, tem efeito suspensivo, ou seja, o recurso suspende a cassação até que seja julgado. Depois de julgado em definitivo, o TSE então marca a nova eleição.

 

Completou ainda que, independentemente de qualquer situação ela será diplomada e assumirá o cargo normalmente, pois não dará tempo de ser julgada antes da posse.

 

Entenda o caso

 

No dia 3 deste mês, o Ministério Público Eleitoral pediu a cassação do registro de Selma e foi protocolado no TRE. O órgão ainda ressaltou que, caso fosse eleita, a candidatura da juíza deveria ser barrada por suspeita de abuso de poder econômico. 

 

Os pedidos foram feitos após a solicitação da inclusão na ação de investigação judicial eleitoral movida pelo advogado Sebastião Carlos (Rede), que amargou a derrota para o Senado no último domingo (7). O adversário pediu uma investigação após a suspeita de gastos ilícitos e abuso de poder econômico da magistrada.

 

A desconfiança de Sebastião foi depois que o publicitário, Júnior Brasa, moveu uma ação monitória cobrando R$ 1,2 milhão de Selma. Na denúncia, o publicitário revela que a juíza emitiu em período de pré-campanha, cheques pessoais para a Genius – empresa pertencente a ele – no valor de R$ 700 mil. A procuradora chegou a pedir as quebras de sigilos bancários de Selma entre abril e setembro de ano, além da cassação de sua candidatura.

 

No entanto, Selma declarou na última terça-feira (9), em conversa com jornalistas, que essa denúncia já foi retirada da pauta do TRE, pois se atentou que não existe esse crime, uma vez que o valor foi usado antes da campanha eleitoral.

 

Entretanto, admitiu que a investigação continua para saber se houve abuso de poder econômico. Ainda que tenha garantido inocência, alegando que já teria mostrado as provas necessárias sobre o caso. Selma também aproveitou para alfinetar a imprensa, por ter divulgado a denúncia do caixa 2. Para ela, foi dado “ênfase” de algo que “não existe”. 

 

“A investigação permaneceu para saber se houve abuso de poder econômico. Mas, quanto a isso, estou tranquila porque para configurar o abuso de poder econômico, não basta você ter comprovação de quantos você gasta, mas sim do quanto tenha causado em nível de desequilíbrio no resultado da eleição e isso não aconteceu”, alegou. 

 

A relatoria da ação está sob a responsabilidade do desembargador Pedro Sakamoto que decretou segredo de justiça na ação que foi proposta por Sebastião Carlos. A acusação veio à tona no dia 30 de setembro deste ano, após o juiz eleitoral, Jackson Coutinho, receber a denúncia de que a juíza aposentada estaria praticando o crime de ‘caixa 2’. Agora, ela está sendo investigada pela Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Polícia Federal e o Ministério Público Estadual por suspeita de abuso de poder econômico.

 

Nos autos, advogado Diogo Sachs, que patrocina a defesa de Selma, argumentou que os extratos bancários da conta pessoal da magistrada seriam apresentados de forma espontânea, em um prazo de três dias, sendo desnecessária a sua quebra de sigilo bancário. E fala sobre a necessidade do sigilo, para salvaguardar as informações bancárias da candidata e impedir novos episódios do reality show formado em torno do processo.

 

Além de acatar o pedido de sigilo, o desembargador negou o pedido do MPF para ser polo ativo da ação. "Evitando desnecessário tumulto processual, sem prejuízo de sua regular atuação no processo", finalizou. 

 

Há ainda outra pendenga que pode pesar contra a nova senadora, a questão da sua segunda suplente Clérie Fabiana, sua ex-assessora e igualmente do PSL que foi escolhida pela comissão deliberativa do PSL e não pela coligação. 

 

O argumento foi de que o PSDB, equivocadamente, teria deliberado que a escolha seria competência do partido (PSL), supostamente batendo de frente contra as regras eleitorais, que exige que o nome seja escolhido pela coligação, na época, ainda atrelada à coligação Segue em Frente MT, liderada pelo governador tucano, Pedro Taques, derrotado na urnas pelo democrata Mauro Mendes. 

 

Segundo a ata do PSDB, foi deliberado que o primeiro e segundo suplentes seriam indicados dentre os filiados dos partidos. 

 

Prova disto que após a Secretaria Judiciária lançar aos autos que a escolha da suplente não foi feita na convenção do partido, o Ministério Público Eleitoral se manifestou pelo indeferimento do pedido de registro de candidatura de Clérie, “bem como da chapa majoritária, como um todo, por ser indivisível”.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Setembro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br