Cuiabá, 16 de Outubro de 2018

CABO GERSON

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018, 13h:54 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Na mesma decisão que acata depoimento, juiz nega a PM arma e fim de tornozeleira

Da Redação

(Foto: Reprodução)

6c8a8b1bf6b8d2b12668e38f4d16f287.jpg

 

Nesta última segunda-feira (20), na mesma decisão em que o juiz da 11ª Vara da Justiça Militar, Murilo de Moura Mesquita, acatou o pedido da defesa do cabo da PM, Gerson Luiz Correa Júnior, agendando um novo depoimento do militar para esta próxima segunda-feira (27), tambem nega ao PM a revogação das medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica e a decretação de sigilo sobre a ação. 

 

Se o magistrado compreendeu o argumento da defesa de que o cabo Gerson ainda teria muito o que falar em sua colaboração com a Justiça sobre a rede clandestina de escutas ilegais, mais conhecida como Grampolândia Pantaneira. Entendendo que as mais de seis horas de depoimento teriam deixado o PM em 'estado de fadiga', uma vez que o julgamento foi iniciado às 13h e Gerson só foi depor às 23h. O magistrado, entretanto, não reconheceu a necessidade da retirada da tornozeliera e ainda o pedido da devolução da arma da corporação para a sua proteção pessoal e para a sua família, o fim da ação penal e ainda sigilo para ela. 

 

Gerson é considerado hoje pela Justiça de Mato Grosso, como um dos principas informantes no processo na investigação sobre os grampos ilegais. Em sua decisão, o juiz entendeu, no entanto, que pelo menos por agora - apesar de sua colaboração -, nem ele, nem sua família estariam correndo perigo .

 

Em trecho da ção, o magistrado revela que neste sentido, 'urge salientar que o referido réu afirmou em seu interrogatório judicial que, até o momento, não foi alvo de ameaças, apesar de já ter testemunhado por diversas vezes contra organizações criminosas'.

 

Pontuando ainda que o depoimento dado no último dia 27 de julho à justiça, pelo cabo Gerson, não trouxe maiores informações do aquelas que já teriam sido repassadas em seu depoimento, dado aos delegados Ana Cristina Feldner e Flávio Henrique Stringueta, na época em qe os delegados eram os responsáveis pelas investigações.

 

Apontado como um dos principais operadores do esquema, Gerson foi o últimos dos militares e de patente mais baixa [maioria dos supostos ligados ao esquema são coronéis da PM] que ficou preso por conta da investigação dos grampos. Gerson ficou preso durante dez meses entre maio de 2017 e março de 2018.

 

O esquema foi denunciado em 2015 pelo promotor de justiça, Mauro Zaque, ex-secretário de Estado de Segurança Pública, de Taques. E de acordo com Zaque - em entrevista dada ao programa Fantástico, da Rede Globo, em 14 de maio de 2017 -, o gestor tucano sabia da rede clandestina que teria grampeado adversários políticos em 2014, quando disputava a Governadoria. Dentre eles estaria desde a deputada estadual, a emedebista Janaina Riva, até jornalista, empresários, advogados, juízes, médicos e mesmo uma ex-amante do ex-secretário-Chefe da Casa Civil, Paulo Taques, inclusive preso por conta dos grampos no ano passado e apontado pelo cabo Gerson como financiador do esquema. 

 

A matéria deu notoriedade nacional ao caso, após veiculação global e, sobretudo, porque foi pela primeira vez que Mauro Zaque teria falado publicamente sobre o assunto. Aliás, foi o promotor quem encaminhou a denúncia à Procuradoria-Geral da República (PGR). Na reportagem, Zaque afirma que informou ao governador Pedro Taques (PSDB) a existência do esquema. 

 

Já o governador desmentiu seu ex-secretário, revelando que a denúncia nunca teria chegado até ele, mas pediu que a Justiça investigasse o fato, após matéria no Fantástico.

 

O pedido acolhido pela Justiça, formulado pelo advogado Neymam Augusto Monteiro, defensor de Gerson, agendou nova audiência para dia 27 de agosto, às 13h30.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Setembro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br