Cuiabá, 19 de Junho de 2018

REDE DE ESCUTAS

Quarta-feira, 02 de Agosto de 2017, 10h:22 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

MP pede reforço à segurança de Zaque após ameaças de cabo Gerson

Da Redação

(Foto: Reprodução/Web)

mauro-zaque 2.jpg

 

A Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) recebeu nesta última terça-feira (1º), pedido da Associação Mato-grossense do Ministério Público, para reforçar a segurança pessoal do promotor Mauro Zaque, assinado pelo presidente da AMMP, Roberto Aparecido Turin. 

 

O pedido foi realizado após ameaças realizadas contra o promotor, pelo cabo da PM, Gerson Luiz Correia, preso por conta da rede de escutas clandestinas, supostamente coordenada pelo alto comando da Polícia Miltar em Mato Grosso.

 

No pedido feito á PGJ, também enviado à imprensa como nota, Turin também pede a responsabilização penal do autor das ameaças e reitera “a exigência plena, profunda e total investigação de todos os fatos referentes à chamada 'Grampolandia'.  A ameaça teria ocorrido em conversa entre o cabo Gerson e um amigo, no WhatsApp, no mês de julho. 

 

O promotor Zaque é autor da denúncia dos grampos ilegais no Estado que levou para a prisão, em maio, o cabo Gérson. Ele é apontado, aliás, como um dos operadores das interceptações telefônicas ilegais, no escândalo que ficou conhecido como “Grampolândia”.

 

Segundo o amigo de Gérson, o cabo teria dito “esse Mauro Zaque, vou arregaçar de qualquer jeito”. O cabo também teria enviado mensagens para amigos dentro da prisão, inclusive cobrando dívida, conforme e-mail encaminhado para seu amigo no dia 26 de junho.

 

Turin diz que associação exige a responsabilização penal do autor da ameaça ao promotor e que a AMMP tem “plena confiança e irrestrito apoio ao colega Mauro Zaque”.  Ainda afirma ainda que “a ameaça direta contra um integrante do MPE, em virtude do regular exercício de suas atribuições, é um ataque contra toda a instituição”.

 

Entenda o caso

 

O esquema de escutas clandestinas que - supostamente envolve oficiais do alto comando da PM do Estado -, foi denunciado pelo promotor de justiça, Mauro Zaque, quando ainda era secretário de Estado de Segurança Pública, em 2015.

 

Uma reportagem do Fantástico deu mais notoriedade ao caso que envolve - segundo a denúncia, pelo menos 120 números de pessoas que não teria ligação com tráfico de drogas.. Mas políticos, advogados, médicos e até jornalistas.

 

Em entrevista à imprensa, na época da denúncia, o ex-secretário da Sesp, Mauro Zaque chegou a afirmar que o governador Pedro Taques (PSDB) foi informado sobre o esquema e que teria ignorado. Em contrapartida, Taques abriu uma ação contra Zaque sob a argumentação de que seu ex-secretário 'mentia' e que ele[Taques] 'não sabia de nada'.

 

A denúncia do promotor, aponta que o Sentinela teria sido utilizado na operação policial de Cáceres, que apurou crimes envolvendo militares. Nos pedidos de interceptações telefônicas feitas a um juiz de Cáceres, para investigar o caso, foram identificados diversos casos de “barriga de aluguel”.

 

Foram presos, no dia 23 de maio, o coronel Zaqueu e o cabo Gerson Correia Junior. E, um mês depois, em 23 de junho, o secretário-chefe afastado da Casa Militar, coronel Evandro Lesco, o adjunto da Casa Militar, Ronelson Jorge Barros, o tenente-coronel Januário Batista e o cabo Euclides Torezan. Todos são suspeitos de atuarem no esquema. O mandado atendeu a um pedido assinado pelo desembargador Orlando Perri.

 

Semana passada, Taques decidiu pela exoneração de seu staff os coronel Evandro Lesco e o seu adjunto da Casa Militar, Ronelson Jorge Barros.

 

Veja nota na íntegra encaminhada à imprensa

 

Com relação às notícias recentemente veiculadas de ameaças diretas feitas por um dos PMs presos e denunciados pelo MP no caso dos grampos. Ameaças diretas contra o promotor Mauro Zaque, autor da representação que resultou na investigação sobre os grampos e na consequente prisão do PM autor da ameaça. 

 

A AMMP vem à público reiterar plena confiança e irrestrito apoio ao colega Mauro Zaque. Afinal a ameaça direta contra um integrante do MPE, em virtude do regular exercício de suas atribuições, é um ataque contra toda a INSTITUIÇAO e também um desrespeito à toda sociedade e ao Estado de direito. Portanto, faz se necessário reafirmar que a INSTITUIÇÃO está UNIDA na defesa do colega MAURO ZAQUE e a AMMP está atenta para a defesa das PRERROGATIVAS dos integrantes do MPE. Vamos combater essa e quaisquer outras ameaças, contra os legítimos interesses do Ministério Público.

 

Já solicitamos ao PGJ e às demais autoridades competentes o reforço à segurança pessoal do colega. MAURO ZAQUE e a responsabilidade penal do autor das ameaças. Reiteramos também a exigência de plena. Profunda e total investigação de todos os fatos referentes à chamada GRAMPOLANDIA, investigação essa a ser conduzida pelas autoridades legalmente definidas e dentro do devido processo legal. 

 

Roberto Aparecido Turin - Presidente da AMMP 

 

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Maio 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade



Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br