Cuiabá, 20 de Novembro de 2018

TEMPOS DIFÍCEIS

Quarta-feira, 07 de Novembro de 2018, 12h:28 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Mendes pede ajuda de todos setores e não descarta taxar agronegócio

Marisa Batalha

(Foto: Roger Perisson)

Mauro Mendes - 11.jpg

 

Depois da primeira reunião realizada nesta última terça-feira (06), na Casa Civil, com a equipe de transição do governador Pedro Taques (PSDB), o democrata Mauro Mendes, eleito como novo governador, mostrou preocupação com as contas do Estado.

 

Mendes tem comandado todo o processo de transição junto com seu vice, o pedetista Otaviano Pivetta.

 

Em conversa com jornalista, o novo gestor estadual voltou a revelar que hoje o governo gasta muito mais do que arrecada. Assim, seria irresponsabilidade dele assumir quaisquer compromissos neste momento, seja com relação uma suposta taxação do agronegócio ou mesmo com relação aos pagamentos da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores.

 

Ainda que o funcionalismo público por conta da RGA já vem prometendo cruzar os braços, antes mesmo de Mendes tomar posse em janeiro de 2019. Caso, obviamente, Taques não venh a honrar o compromisso de pagar a parcela de 2% de novembro, prevista por lei e acordado com o Fórum Sindical há mais de um ano.

 

No entanto, de acordo com Mendes, neste momento ele não descarta nenhuma das alternativas que vêm sendo debatidas, inclusive algumas publicamente, como é o caso da defesa que vem sendo patrocinada pelo senador eleito, o democrata Jayme Campos e ainda pelo deputado federal reeleito, Carlos Bezerra (MDB), de que seja proposta do novo governo uma futura taxação do agronegócio, como forma de assegurar a entrada de recursos no erário público.

 

Conforme o democrata, o Estado passa por uma situação complicada. Assim, para que sejam realizadas as mudanças necessárias e, inclusive, esperadas pela população, "todos terão que ajudar".

 

Segundo Mauro Mendes, quando se candidatou tinha consciência da situação em que o Executivo se encontrava.E que para realizar as mudanças, o próprio Governo precisa dar o exemplo. Entretanto, nesta tarefa todos vão precisar colaborar, o que inclui o agronegócio.

 

O novo chefe do Executivo estadual também deixou claro sua intenção de renovar o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab 2), que se encerrará no final deste ano. Lembrando que esta posição teria sido discutida já durante a campanha, em reuniões que teve com a Associação Mato-grossense do Algodão e a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso. 

 

"Sempre me pronunciei favorável a renovação do Fethab 2. Durante a campanha, disse isso em uma reunião na Aprosoja e na Ampa, de que não poderia prescindir desta receita. Estamos elaborando o projeto de lei e vamos encaminhar esta minuta ao Governo, pedindo que ele mande para a Assembleia. Já que esta é uma prerrogativa da  atual administração, a de remeter o projeto para o Legislativo".   

 

Quanto a RGA, Mendes fez questão de frisar que a Secretaria de Estado de Fazenda tem se pronunciado sobre o fato de não haver recursos em caixa para pagar o reajuste dos servidores. E que ele, quando prefeito da Capital pagou a RGA. Mas houve um trabalho minucioso, pautado em muita responsabilidade como forma de assegurar as condições para a realização destes pagamentos, inclusive nos pagamentos dos fornecedores. E que isto teria sido feito com a participação de todos.

 

'Precisamos realizar agora na administração estadual um trabalho de análise bem minuciosa, pois tudo indica, pelo menos de acordo com os demonstrativos que têm chegado até nós, é que Mato Grosso está quebrado. Deve a Deus e a todo mundo, sobretudo, já estourou a Lei de Responsabilidade Fiscal', completou.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Outubro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br