Cuiabá, 20 de Fevereiro de 2019

POLÍTICA
Segunda-feira, 28 de Maio de 2018, 16h:21

PALAVRA DO LÍDER

Líder de movimento afirma que proposta de Temer foi aceita pelos grevistas

Da Redação

 

O líder do Movimento dos Transportadores de Grãos de Mato Grosso, Gilson Baitaca, comentou que a classe aceitou as propostas apresentada pelo presidente da República, Michel Temer (MDB), que acatou algumas reiveindicações dos caminhoneiros que estão em greve há oito dias.

 

Entre as medidas anunciadas pelo emedebistas está a redução do preço diesel em R$ 0,46 nas bombas pelo prazo de 60 dias, depois desse período, o preço do diesel será ajustado mensalmente; isenção da cobrança de pedágio dos caminhões que trafegarem com eixo suspenso; entre outros.

 

“As nossas negociações tiveram os avanços que queríamos. Conseguimos receber muito mais do que tínhamos pedido inicialmente. Tudo porque o movimento foi ficando forte e conseguimos levar uma conquista histórica, porque nós não teríamos nada se não tivesse um movimento forte mobilizado lá na ponta”, disse Baitaca ao site Mídia News.

 

A paralisação dos caminhoneiros começou na última segunda-feira (21), após o governo federal anunciar aumento de tributos no óleo diesel. O manifesto causou escassez de combustível nos postos, além da falta de estoques nos supermercados e nas distribuídoras de águas e gás, além da redução na circulação do transporte coletivo na região metropolitana de Cuiabá.

 

O governador Pedro Taques (PSDB) decretou neste final de semana situação de emergência devido a falta de insumos no Estado, além disso criou um comitê de crise para debater ações para enfrentar a crise. Alguns caminhões com combustível foram escoltados pela polícia para reabastecer alguns postos de Cuiabá. Nesta segunda-feira (28), grandes filas se formaram em locais que receberam o insumo.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE