Cuiabá, 06 de Dezembro de 2019

POLÍTICA
Quinta-feira, 14 de Novembro de 2019, 11h:37

CAMPANHA DE 2014

Justiça alega falta de provas e arquiva inquérito contra Silval sobre doação de R$ 400 mil

Claryssa Amorim
Única News

(Foto: Reprodução)

Ex-governador Silval Barbosa

O juiz da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, Geraldo Fidelis Neto, mandou arquivar o inquérito policial que investigava sobre doação de R$ 400 mil do ex-presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Jandir Milan, ao ex-governador Silval Barbosa, durante sua campanha eleitoral, em 2010. A decisão do magistrado é do dia 6 de novembro.

O juiz da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, Geraldo Fidelis Neto, mandou arquivar o inquérito policial que investigava sobre doação de R$ 400 mil do ex-presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Jandir Milan, ao ex-governador Silval Barbosa, durante sua campanha eleitoral, em 2010. A decisão do magistrado é do dia 6 de novembro.

A suposta doação teria sido a título de “Caixa 2” e foi relatada por Silval durante sua colaboração premiada, fechada com a Procuradoria Geral da República (PGR).

O Ministério Público Eleitoral entrou com um pedido de investigação, em 2018, para apurar a suposta falsificação de documentos em prestação de contas de Silval à Justiça, nas eleições de 2014. Segundo o Ministério Público, o ex-governador deixou de prestar esclarecimentos sobre uma doação no valor de R$ 400 mil. 

Na delação, Silval relatou que a doação era para garantir contratos do empresário junto ao Governo do Estado.

No entanto, após investigações, o MP propôs arquivar o inquérito por não haver provas suficientes. O magistrado Fidelis acatou o parecer do MP e apontou ausência de elementos suficientes. 

“Em face da ausência de elementos suficientes que indiquem a ocorrência de crime, determino o arquivamento do feito”, cita a decisão.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE