Cuiabá, 26 de Setembro de 2018

BATE-BOCA

Sexta-feira, 10 de Agosto de 2018, 08h:38 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Julgamento de juiz é adiado após discussão entre desembargadores

Da Redação

Foto: (Reprodução/Web)

PERRI E MARIA HELENA

 

Um bate-boca entre dois desembargadores adiou o julgamento do Processo Administrativo Disciplinar (PAD), contra o juiz o juiz Flávio Miraglia, nessa quinta-feira (09), durante a sessão do Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Ele é acusado de cometer ilegalidades em ações milionárias e pela má gestão na Vara de Falência e Recuperação Judicial de Cuiabá. 

 

O desentendimento entre os desembargadores, Orlando Perri e Maria Helena Póvoas, foi sobre a inocência do magistrado. O desembargador José Zuquim pediu vista do processo.

 

O desembargador Orlando Perri se manifestou, durante o seu voto, contra à aposentadoria compulsória do juiz. E chegou a citar, em seu parecer, que a desembargadora estava pontuando certas irregularidades contra o juiz que não constava nos autos do processo administrativo.

 

"A vossa excelência está julgando pelo ladrar dos cães das ruas que habitam os becos e os esgotos. Eu não julgo pelo disse me disse, tem que ter provas. Eu estou analisando item por item, estou trazendo uma decisão de vossa excelência que você não pode negar", disse Perri.

 

"A senhora tem provas de que esses honorários pagos foram indevidos, porque não os trouxe?", questionou.

 

Porém, Maria Helena pediu para que seu colega se acalmasse. "Desembargador se acalme, estou dizendo que tudo neste processo é nebuloso [...] Nunca vi tanta celeuma como nesse processo, ora, o que é isto? Nunca vi um PAD demorar um dia inteiro para ler um voto!", declarou.

 

Perri, sem diminuir o tom de voz, prosseguiu dizendo que precisa colocar as coisas em seu devido ‘carris’ e que a desembargadora estaria distorcendo, levantando questões que fogem do processo.

 

Maria Helena rebateu o desembargador e sugeriu que o Pleno remeta ao Conselho Nacional Jurídico para analisar de quem é a razão.

 

Logo após, o desembargador disse para Maria Helena não se preocupar pois certamente este caso iria para o CNJ e pediu para que ela não proferisse conversas fiadas estendendo ainda mais a discussão.

 

"Eu não sou de conversinha fiada. O senhor, por favor, faça defesa do juiz, mas não me ataque. O senhor fica absolutamente embebecido quando o assunto é Flávio Miraglia", gritou a desembargadora.

 

Perri respondeu a desembargadora ainda exaltado, "Negativo, já disse e repito não tenho relação com o doutor Flávio Miraglia, mas também não tenho o ódio figadal que a senhora tem demostrado ter".

 

A divergência, porém, foi além do debate jurídico, transformando o Pleno em um espetáculo de acusações e gritaria. Devido a isso, o presidente do TJ, Rui Ramos concedeu intervalo de 10 minutos.

 

Ao retornar, Perri lamentou a situação e pediu desculpas à desembargadora.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Agosto 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br