Cuiabá, 20 de Outubro de 2018

NOVA ESTRATÉGIA

Segunda-feira, 07 de Maio de 2018, 14h:40 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Jayme desconversa, Taques evita críticas, mas secretário pontua ações de governo para Mauro

Marisa Batalha

(Foto: Divulgação)

governador- coletiva.jpg

 

O ex-secretário municipal de Assuntos Estratégicos, na administração da esposa, Lucimar Campos, em Várzea Grande, Jayme Campos (DEM), não teve como fugir desta vez de responder sobre o fato de não ter assinado a carta-manifesto, composta por 31 ex-aliados de Taques, na coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira (07), após a assinatura da ordem de serviço para a construção do Centro de Inovação do Parque Tecnológico Mato Grosso, em Várzea Grande.

 

A carta-manifesto assinada por 31 ex-antigos aliados do governador tucano, e veiculada no dia 24 de abril, traz 'paripassu' as explicações sobre os motivos pelos quais todos seraim contrários à reeleição de Taques. 

 

Para o ex-secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, mesmo que boa parte dos democratas tenha assinado o manifesto – ficando de fora, além dele, o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho e o presidente do diretório da sigla, o deputado federal Fábio Garcia -, a explicação de Jayme foi bem mais fácil, ele não teria participado das reuniões lideradas pelos ex-prefeito de Cuiabá e Lucas do Rio Verde, respectivamente Mauro Mendes e Otaviano Pivetta, inclusive com a participação do seu irmão, o ex-governador Júlio Campos, um dos caciques dos democratas em Mato Grosso. Assim, ‘supostamente’ sem saber do que se tratava, ele não poderia assinar. 

 

Mesmo que nos últimos meses a carta-manifesto já viesse sendo prometida pelo ex-apoiadores de Taques e, sobretudo, fartamente discutida e todos os motivos elencados porque se posicionaram contra uma nova disputa de Taques pelo comando do Paiaguás. Dentre elas estaria o fato de que o tucano teria realizado 'uma gestão pífia e teria se utilizado exaustivamente da crise econômica vivida pelo país, como forma de justificar erros de sua administração e ainda a falta de recursos em setores básicos como a Saúde, setor duramente criticado pelos políticos'.  

 

Já o governador - tentando passar ao largo das críticas que vem recebendo ultimamente e de forma contínua -, optou em realizar largos elogios ao ex-gestor estadual, Jayme Campos, ao assinar a ordem de serviço para a construção do Parque Tecnológico.

 

Para Taques, o parque seria, inclusive, uma obra há anos já elaborada por Campos. Um antigo sonho de Jayme, que ele pode, orgulhosamente, ‘hoje pode realizar’. Aos adversários e ex-amigos o governador tucano apenas disse que sua preocupação no momento era trabalhar em favor do Estado. E que não responderia aos seus opositores, muito menos daria resposta à algumas provocações como a feita na semana passada pelo ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes que desafiou Taques, ao comparar números entre a sua gestão como prefeito (2013-2016) com os dados do governo Taques (2015-2018). 

 

Assim, o gestor tucano fez um longo discurso sobre o parque, lembramdo que tem um prazo de 12 meses para a sua construção, mas que estaria atrás do dinheiro do Finep [Financiadora de Estudos e Projetos - empresa pública brasileira de fomento à ciência, tecnologia e inovação] para antecipar este processo.

 

Ainda de acordo com o governador, o parque deve movimentar mais de 1,3 mil empregos diretos e indiretos nos três módulos de funcionamento: Parque Tecnológico (espaço para o desenvolvimento de inovação pelas empresas), Parque de serviços (focado na promoção de serviços para empresas, industrias e comunidades) e Parque científico (espaço para formação e qualificação de pessoas, núcleos de universidade, laboratórios e centros de P&D).

 

Mas se Taques – estrategicamente começou a optar em não responder mais às declarações de seus adversários -, o mesmo não serviu para seu secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Domingos Sávio, que foi ácido ao rebater o desafio de Mauro ao governador. Ao pontuar que o ex-prefeito da Capital deveria colocar a mão na consciência’ e reconhecer que o gestor tucano foi o ‘principal parceiro’ de sua gestão no Palácio Alencastro.

 

‘O governador foi um grande parceiro do ex-prefeito Mauro Mendes. O ajudou na construção do Hospital São Benedito e ainda ajudando a equipá-lo, está ajudando desde a administração de Mendes na construção do novo Hospital e Pronto-Socorro de Cuiabá. Ainda foi o responsável pelo recapeamento em ruas de dezenas de bairros da capital. Tenho certeza, portanto, que aqueles que criticam o governo, em breve irão reconhecer os trabalhos realizados pelo governador Pedro Taques em favor de Cuiabá.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Setembro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br