Cuiabá, 14 de Dezembro de 2018

BASTIDORES DO PODER

Terça-feira, 06 de Março de 2018, 16h:46 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Ex-secretário advogou para EIG, mesmo que Taques tenha delatado o esquema quando senador

Da Redação

(Foto: Reprodução/Web)

Paulo Taques 02.jpg

 

Informações sigilosas na Justiça dão conta que o ex-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques, teria assinado um contrato para prestar serviços como advogado para a empresa EIG Mercados Ltda – ligada aos desvios de recursos no Detran desde 2009, na época com o nome fantasia de FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação Ltda.

 

E isto -muito possivelmente ciente - de que havia um ofício datado de 11 de abril de 2012, do governador Pedro Taques (PSDB), na época senador pelo PDT, que foi encaminhado ao Ministério Público Estadual (MPE) denunciando supostos casos de corrupção no Detran, envolvendo o ex-presidente da autarquia Teodoro Moreira Lopes, o Dóia, e o deputado estadual Mauro Savi (PSB).  Ou seja, Paulo Taques sabia que o gestor tucano teria denunciado e mesmo assim, passou a representar judicialmente a empresa, por onde todo o esquema escoava.

 

Investigada na “Operação Bereré” por participação no esquema que desviou verbas do Detran, a empresa EIG Mercados Ltda – é acusada de desviar entre 2009 e 2014, cerca de R$ 27,7 milhões dos cofres públicos, por meio de pagamento de propina.

 

A operação - com 49 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça -, foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco). E por conta dela o Tribunal de Justiça determinou o bloqueio de R$ 27 milhões de 17 pessoas investigadas.

 

Já o suposto acordo - entre Paulo e a empresa EIG -, foi assinado em 6 de outubro de 2014, um dia após a eleição que deu a vitória a Taques como governador do Estado. O contrato de representação judiciária foi repassado pelo então advogado da empresa, Daniel Augusto Mesquita.

 

Sobre este suposto envolvimento, o ex-secretário não pode falar, já que está proibido de dar qualquer declaração à imprensa, em decisão assinada pelo ministro Mauro Campbel do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em uma das cautelares. Por conta da operação Esdras, deflagrada no dia 27 de setembro de 2017, para desmantelar uma rede clandestina de escutas, comandada por policiais de alta patente, de dentro do Palácio Paiaguás e que supostamente teria como chefe de todo o processo, o ex-chefe da Casa Civil.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Nov 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br