Cuiabá, 16 de Outubro de 2018

GRAMPOLÂNDIA PANTANEIRA

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2018, 13h:20 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Defesa de Gerson diz que ‘arapongagem’ é uma praxe de Taques

Luana Valentim
Da Redação

(Foto: Reprodução)

b98fdb1a7aef854f7c35ad098fd14b7f.jpg

 

Após o cabo da Policia Militar, Gerson Luiz Corrêa Junior conseguir na Justiça o direito de depor novamente e reiterar nesta segunda-feira (27), ao juiz da 11ª Vara Militar do Fórum de Cuiabá, Murilo Mesquita, a participação do governador Pedro Taques (PSDB), no suposto esquema de grampos, o seu advogado de defesa Eurolino Sechinel dos Reis disse que a declaração do cabo, apesar de dura, é uma verdade e que não se surpreende com a declaração.

 

Gerson em seu depoimento, assegurou que o ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques [primo do gestor tucano], que saiu da prisão recentemente, supostamente ligado a desvios milionários no Detran, teria lhe oferecido ajuda financeira para que ele não envolvesse o nome do governador no esquema que ficou conhecido nacionalmente como Grampolândia Pantaneira.

 

Eurolino, ao ser questionado sobre as declarações de seu cliente, disse que acredita na revelação de Gerson. Lembrando que Gerson – ao falar da ajuda financeira oferecida por Paulo -, se pautou na convivência forçada que ambos tiveram quando estavam presos na mesma ala no Centro de Custódia da Capital, antigo Carumbé.

 

“Tem que entender uma coisa, essa arapongagem é praxe de Taques. Quando ele era procurador já usava desse sistema. Não é de hoje que sua excelência usa desde artifício. Não é de hoje isso. Lamento, que uma autoridade pública, a maior do Estado tenha agido com tanta desfaçatez, ao mandar o primo procurar o cabo para aliviar o seu lado" relatou o advogado.

 

O advogado ainda pontuou que infelizmente a sociedade ainda é vítima desse sistema, onde o Ministério Público Estadual não toma cuidado necessário ao requerer uma autorização de quebra de sigilo ao Judiciário.

 

"E isso nos coloca a todos como vítimas desse sistema. Isso tem que acabar. Não sou contra a quebra de sigilo, desde que, fundada a suspeita. Mas hoje o que se vê aqui, é um mandar inato do alto para baixo no sentido de prejudicar as pessoas. Prejudicar a terceiros, sobretudo, inimigos políticos para obter benefícios. E isso é muito perigoso e antidemocrático", declara.

 

Eudolino disse ainda que por mais que Taques negue o seu envolvimento no suposto esquema, há um fato político grave ‘a modalidade dos grampos por meio da barriga de aluguel’ em que o tucano está envolvido.

 

Em entrevista à Rádio Centro América FM, nesta quarta-feira (29), o governador disse que não acredita no depoimento de Gerson onde cita o envolvimento do MPE no esquema de grampos, mas não se defendeu das acusações feitas contra ele.

 

Lembrando ainda, que a deputada emedebista Janaina Riva, vem tentando instalar na Assembleia Legislativa uma CPI dos Grampos para investigar a participação de Taques no suposto esquema. No dia 7 de agosto, ela apresentou um requerimento com 10 assinaturas e protocolou junto a Mesa Diretora. Porém, devido ao fato de já haver três CPIs em andamento – o máximo permitido de acordo com o Regimento da Casa – a parlamentar busca agora, 16 assinaturas para que, somente assim, possa ser instalada uma quarta CPI

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Setembro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br