Cuiabá, 11 de Dezembro de 2017

CPI DO PALETÓ

Quarta-feira, 06 de Dezembro de 2017, 16h:05 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Causa estranheza convocação de Mauro e Sintep em investigação de Pinheiro quando era deputado

Wellyngton Souza

(Foto: Reprodução)

Adevair.jpg

 

Após a polêmica de propor que as oitivas da CPI do Paletó que investiga o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, sejam de portas fechadas, o relator da Comissão, vereador Adevair Cabral (PSDB), da base aliada de Emanuel, apresentou requerimento convocando membros da atual administração e ainda o ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB).

 

De acordo com a justificativa de Adevair Cabral, a proposta busca avaliar a opinião das pessoas que serão ouvidas se Emanuel tem condições de ficar no comando do Palácio Alencastro ou não. "Eu pedi para convidar esses secretários e líderes para fazer um bate papo. Então essas pessoas irão dizer se o prefeito está conduzindo a prefeitura de forma correta", revelou.

 

O posicionamento do parlamentar foi novamente alvo de duras críticas pelo ex-senador, Antero Paes de Barros na manhã desta quarta (6). Antero classificou ainda como uma atitude vergonhada para a Casa de Leis de convocar o ex-prefeito.

 

"Pedir para convidar secretários líderes para um bate-papo? CPI não é lugar para bate-papo. Faz isso em um barzinho. Porque não chamou os irmãos do Pinheiro, as pessoas mais próximas, os parentes para saber se ele está bem psicologicamente para continuar na prefeitura. A CPI está investigando outro fato se houve ou não tentativa de obstrução de Justiça. E outra coisa, o que Mauro Mendes tem que fazer lá? Isso é uma vergonha. Respeita administração de Mendes, colocar ele para explicar o dinheiro no paletó de Emanuel? Não tem nem explicação para isso", disparou.

 

Além de Mauro Mendes, foram convocados presidente do Sindicato dos Servidores Público, Jaime Metello, o secretário de Serviços Urbanos da Prefeitura de Cuiabá, José Roberto Stopa, o ex-adjunto de infraestrutura da Secopa e atualmente diretor da Águas Cuiabá, Marcelo de Oliveira, conhecido como Marcelo Padeiro e também o presidente do Sintep, João Custódio.  

 

(Foto: Reprodução)

6e6024f26d6c7373ec48bc2ab710059e.jpg

 

Na última segunda (4), o ex-senador disse que deve ingressar com um mandato de segurança para que as sessões da CPI sejam de portas abertas. Os vereadores que compõe a Comissão decidiram por manter sigilosa as oitivas para imprensa e população.

 

"Quem age para esconder a corrupção tem que ser colocado sob suspeita por causa exatamente do princípio da publicidade. Eu como jornalista, como cidadão, se ninguém fizer eu vou fazer mandato de segurança".

 

Conforme ex-parlamentar, a atitude em manter as portas fechadas não passa de uma atitude imoral e desleal com a sociedade cuiabana que ainda aguarda satisfações de Pinheiro flagrado recebendo suposta propina do então chefe de gabinete do ex-governador, Silval Barbosa, Silvio Corrêa. “Não deveriam dizer que defendem Cuiabá, que defende a moralidade pública, é um comportamento imoral, desleal com a sociedade”, afirmou.

 

Emanuel Pinheiro faz parte da lista de deputado estaduais que receberam ‘mensalinho’ durante gestão do ex-governador. Na delação premiada de Silval que foi homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto de ano, o prefeito enquanto ocupava lugar na Assembleia Legislativa, teria aceitado propina para ser favorável às contas do ex-governo.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Novembro 2017 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade



Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br