Cuiabá, 23 de Novembro de 2017

DEU NO ESTADÃO

Quarta-feira, 08 de Novembro de 2017, 15h:52 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

AMM quer afastamento de Taques e secretário rebate: ‘viés político’

Da Redação

(Foto: Bruno Cidade)

Taques e Neurilan

 

O presidente da Associação Mato-Grossense dos Municípios, Neurilan Fraga, defende o afastamento do governador, Pedro Taques (PSDB), do comando do Executivo por atrasos nos repasses da Saúde. A situação é “recorrente desde o início da administração”, afirma Fraga.

 

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (8), ele disse que já foram esgotadas todas “as possibilidades de diálogo para que o governo repassasse os recursos que estão em aberto e não vemos outro caminho”. Em relação à saúde básica, ele diz que o atraso chega a cerca de R$150 milhões.

 

Nesta terça-feira, 7, prefeitos de pelo menos cinco municípios realizaram protesto contra a falta de repasses para que as unidades normalizem os atendimentos nos setores de urgência e emergência. Na próxima sexta, a associação voltará a se reunir para definir se entra com a representação na Assembleia Legislativa local.

 

No mês passado, representantes de entidades e lideranças políticas bloquearam a BR-163 para forçar o governo estadual a resolver o problema financeiro dos Hospitais Regionais: Sinop, Sorriso e Colíder. O hospital regional de Sinop, um dos maiores municípios do Estado, reduziu atendimento.

 

A Fundação de Saúde Comunitária, que administra a unidade, alega que tem R$ 8,8 milhões para receber do Estado. A manifestação foi organizada pelo Consórcio de Saúde do Vale do Teles Pires e contou com prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos municípios de Marcelândia, União do Sul, Tabaporã, Sorriso e Sinop.

 

O hospital municipal de Confresa, a 1.160 km de Cuiabá, cancelou as cirurgias eletivas, que representam 70% dos procedimentos feitos na unidade, por falta de recursos. O município não recebe repasse do Estado desde julho.

 

Outro lado

 

O governador Pedro Taques está viajando. O secretário de Estado de Comunicação, Kleber Lima, declarou que um possível pedido de afastamento do governador Pedro Taques (PSDB) “possui viés político”. 

 

Além disso, acrescentou que, se “atraso em pagamentos por parte do poder público gerar afastamento, dificilmente ficará um prefeito no cargo”. E ressalto o efeito crise no estado. “Não é por opção que os repasses estão atrasados. Todo mundo sabe a crise pela qual estamos passando. Se fosse questão de escolha, nós iriamos escolher não dever ninguém”. Confira reportagem na íntegra. (Com Estadão)

 

Leia Mais - Fávaro faz aporte emergencial de R$ 30 mi para Saúde 

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Outubro 2017 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade



Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br