Cuiabá, 11 de Dezembro de 2017

MORTE DE PM

Quinta-feira, 07 de Dezembro de 2017, 15h:06 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Suspeita de matar marido tem mandado de prisão decretado

Daffiny Delgado

Reprodução Internet

PM E ESPOSA

 

Foi convertida em prisão em flagrante para preventiva, a detenção de Deise Ribeiro de Oliveira, de 23 anos, suspeita de mandar matar o próprio marido, o policial militar Moshe Dayan Simão Kaveski, de 28 anos.

 

A conversão foi determinada pelo juiz Evandro Juarez Rodrigues, da 2ª Vara Criminal e Cível de Peixoto de Azevedo (691 km ao Norte de Cuiabá).

 

Na decisão, decretada nesta quarta-feira (6), o magistrado citou a investigação da Polícia Civil que apontou divergências no depoimento da acusada. À polícia ela disse, em primeiro momento, que um suspeito de estatura baixa, gordo e com trajes escuros foi o responsável pelo crime.

 

Momentos depois, ela mudou a versão, afirmando que o crime teria sido praticado por dois indivíduos, que ainda haviam roubado o seu celular e o da vítima.

 

"Os elementos constantes no Boletim de Ocorrência indicaram o possível envolvimento de Deise Ribeiro de Oliveira, em razão de suposta discussão e vias de fato com a vítima, seu esposo, no dia do crime. Bem como a informação de que Deise costumava guardar a arma de fogo do marido. O policial quando foi alvejado estava vestindo bermuda,, os cachorros não latiram e havia ausência de sinais de luta corporal”, diz trecho da decisão.

 

Em terceiro depoimento, a suspeita afirmou ter discutido com o marido, mas negou o crime. Para o delegado Israel Pirangi Santos, não houve sinais de luta corporal, apesar de a suspeita informar que teria ocorrido. O policial foi baleado  na cabeça e na região do tórax.

 

No dia do crime, Deise disse que pilotava a moto e o marido estava na garupa. Ela afirmou que chegou em casa e Moshe desceu para abrir o portão. “Que um indivíduo encapuzado puxou sua corrente de ouro do pescoço. Enquanto tentava retirar a moto, viu que Moshe levantou o braço e em seguida ouviu três disparos de arma de fogo e ouviu o som de alguém correndo”, diz trecho do depoimento no processo.

 

 

O crime ocorreu na noite desta última segunda-feira (4), na frente da casa onde o casal morava no distrito de União do Norte, em Peixoto de Azevedo. No dia, a Polícia Militar chegou a prender um homem com as mesmas características repassadas por ela no primeiro depoimento. No entanto, ele acabou sendo liberado por não haver elementos que ligasse a participação dele na morte do policial.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Novembro 2017 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade



Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br