Cuiabá, 21 de Outubro de 2018

ERRO E TRAGÉDIA

Segunda-feira, 16 de Julho de 2018, 21h:44 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Marcado para esta terça, velório de gerente que morreu após bioplastia

Marisa Batalha

(Foto: Reprodução)

LILIAN E MÉDICO

 

Já foi marcado para as 14 horas, desta terça-feira (17), na Capela Jardins o velório da gerente do banco Bradesco Premier de Cuiabá, Lilian Calixto de 46 anos.

 

Ela morreu no domingo(15), as 14h, de uma  embolia pulmonar, em consequência de complicações advindas de um procedimento estético errado para aumentar os glúteos, realizado no sábado(14), as 22h, no Rio de Janeiro.

 

A bioplastia foi realizada por Denis Furtado, dentro de seu apartamento. A Polícia Civil carioca já descobriu que Denis não é médico. 

 

Após ter decretada a sua prisão por negligência e homicídio doloso [por assumir risco de matar], um mandado de prisão foi expedido contra ele, mas até o momento ele continua foragido. 

 

Poucas horas mais tarde da realização do procedimento, Lilian passou mal e teria sido levada pelo falso médico para atendimento em um hospital, mas não teria ficado para acompanhar o caso.

 

Somente 12 horas após a constatação da morte, a unidade entrou em contato com uma amiga de Lilian - a única que sabia que ela faria o procedimento -, informando que ela havia morrido.

 

Lilian foi submetida a uma bioplastia para aplicação de PMMA (polimetilmetacrilato), um polímero, ou fibra sintética, em forma de gel, usado para preenchimento de partes do corpo.

 

O produto usado no procedimento estético que teria causado complicações e resultado na morte de Lilian, é proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Um suposto erro médico teria ocorrido, já que há a informação de que o médico teria aplicado produto proibido no Brasil.  

 

O PMMA (Polimetilmetacrilato), é um material para dar volumes no tecido, usado em preenchimentos que alteram algumas formas do corpo, procedimento chamado por alguns profissionais de bioplastia. Ele é um tipo de plástico, apresentado em um formato de microesferas. 

 

De acordo com informações, a suspeita é de que o produto tenha sido injetado, por engano, em um vaso sanguíneo, o que causou uma embolia em Lilian. 

 

Uma dermatologista de Cuiabá – que optou em manter seu nome em sigilo-, disse que o PMMA tem uso limitado na medicina. ‘O produto só é liberado para tratamento de lipodistrofia facial do paciente soropositivos, a ainda assim em pequenos volumes, no máximo 3 ml, ressaltou. 

 

Segundo especialistas, a colocação do produto é feita de maneira similar à do hidrogel, com uma microcânula - um tipo de agulha - e sob anestesia local. As conclusões são que o produto pode mudar de lugar, levando a deformações, além de provocar degeneração nas células do organismo. 

 

Além disso, se o produto for injetado por engano dentro de um vaso, o paciente fica sujeito a embolias que podem levar à morte, além de necroses na pele. 

 

Duas enfermeiras foram detidas e ouvidas pela Polícia Civil, nesta segunda, uma delas seria namorada de Denis Furtado. As causas da morte terão ainda que ser confirmadas pelo Instituto Médico Legal (IML).

 

Por ser gerente de banco, Lilian era bastante conhecida e querida por todos, deixa o esposo e dois filhos.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Setembro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br