Cuiabá, 24 de Setembro de 2018

ENTERRADA VIVA

Sábado, 09 de Junho de 2018, 08h:09 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Avó de bebê índia é presa por participação em tentativa de homicídio

Da Redação

(Foto: Abelha Táxi Aéreo)

bebe indigena

 

Após investigações da Polícia Civil, foi apontado que a bisavó Kutsamin Kamayura, que enterrou viva a bisneta recém-nascida, teria planejado juntamente com a avó da bebê, Tapoalu Kamayura, o que seria feito com a criança após o nascimento. Tapoalu, de 33 anos, foi presa, nesta sexta-feira (8), em cumprimento de mandado de prisão temporária decretado pela Justiça por tentativa de homicídio.

 

A índia recém-nascida com menos de 24 horas de vida, foi resgatada após 7 horas enterrada viva, na terça-feira (4), em Canarana (a 838 km de Cuiabá). Segundo a Polícia Militar, a mãe de 15 anos, relatou que ao dar à luz no banheiro de sua residência, a menina teria caído no chão e acreditou que estaria morta.

 

Em continuidade às investigações, a Polícia Civil ouviu testemunhas envolvidas no caso para apurar qual o comportamento da participação da avó da vítima, a indígena Tapoalu,  de 33 anos. Ela tinha conhecimento da gravidez da filha e em razão da adolescente ser solteira, além de o pai da criança já ter casado com outra indígena, a avó premeditou a morte da menina. Durante todo o período gestacional, também ministrou chás abortivos para interromper a gravidez, segundo os depoimentos colhidos. 

 

 

Ainda conforme as investigações, ao não conseguir abortar durante a gestação, a indígena Tapoalu planejou junto com sua mãe (avó da adolescente e bisavó da recém-nascida), Kutsamin, o que seria feito com o bebê logo depois do parto. A bisavó da criança,  de 57 anos, foi presa na manhã de quarta-feira (06). Na ocasião, alegou que a criança não chorou após o nascimento, por isso acreditou que estivesse morta e, segundo costume de sua comunidade, enterrou o corpo no quintal, sem acionar os órgãos oficiais. 

 

 

Diante dos novos fatos e indícios, o delegado de polícia Deuel Paixão de Santana, representou pelo pedido de prisão temporária de Tapoalu Kamayura, que  rapidamente foi deferido pelo juízo competente da Comarca de Canarana, com parecer favorável do Ministério Público Estadual.

 

 

Os  policiais civis deram cumprimento ao mandado contra a suspeita, que foi encaminhada para Cadeia Pública Feminina, no município de Nova Xavantina.

 

O caso

 

A bisavó, Kutsamin Kamayura, de 57 anos, da índia recém-nascida, também foi presa em flagrante no mesmo dia do crime, no município. Ela foi apontada como responsável por enterrar viva a criança. Ela vai responder por tentativa de homicídio.

 

 Já na quarta-feira (6), foi realizada a audiência de custódia da bisavó no Fórum do município e o juíz decidiu manter a prisão da índia. De acordo com a Polícia Civil, ela foi encaminhada para o presídio de Nova Xavantina (a 651 km de Cuiabá).

 

A bebê enterrada viva está sendo acompanhada pelo Ministério Público Federal e Estadual de Mato Grosso. Segundo a conselheira tutelar do município, Jordilene Lopes, a criança está sob a tutela do Estado e não será adotada sem a decisão do Ministério Público Estadual. Ela foi internada imediatamente no Hospital Regional de Água Boa (a 736 km de Cuiabá) após o resgate e transferida na quarta-feira (6) para a Santa de Cuiabá, por meio de UTI Neonatal aérea. 

 

 Após ser transferida, segundo a diretoria do hospital, o estado de saúde da menina era parcialmente grave, pois houve um distúrbio de coagulação do sangue, além de sangramento via oral e anal, por conta de uma hemorragia digestiva, porém, na manhã desta sexta-feira, o quadro agravou.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Agosto 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br