Cuiabá, 13 de Novembro de 2018

ESTADO AMEAÇADO

Sexta-feira, 05 de Maio de 2017, 14h:26 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

A ausência do Estado impera a barbárie


O Estado está ameaçado. O cenário é preocupante e saiu do controle da segurança publica. Os grandes chefes de facções (poder paralelo ao Estado), já estão de forma petulante, ameaçando e colocando em suas listas negras publicamente as autoridades. Ou o Estado entra em ação e impõe a Ordem Constitucional, ou definitivamente o Brasil será transformado em terra sem lei por pura omissão dos nossos governantes. O nosso sistema prisional é deficitário e inoperante. É uma bomba relógio anunciada há anos por vários setores e pela própria imprensa que a qualquer momento explodiria. Não adianta tapar o sol com a peneira, pois estamos em plena guerra civil,  o crime mata mais por dia no Brasil que o confronto entre Israel e Palestina. No Brasil, lamentavelmente, tudo  é desorganizado, somente o crime  é organizado.

 

PCC (Primeiro Comando da Capital) ADA ( Amigos dos Amigos) unidos contra o  CV (Comando Vermelho) ou seja Marcola x Fernandinho Beira Mar, é  inegável que o Estado está falido, e neste quesito os lideres das facções já anunciaram aos quatros cantos do pais que na realidade estão se aproveitando da falência do Estado e da Segurança Publica. A existência dessas organizações criminosas é de conhecimento de todos e lamentavelmente parece ser permitido pelas autoridades. Estamos em uma guerra civil velada, onde o trabalho da policia, diante de todo este poder paralelo que se instalou no país, é apenas de enxugar gelo.

 

Historicamente, a ausência do Estado é fator estimulador da violência criminal, especialmente entre os jovens. A ausência do Estado na formação de politicas publica de geração de emprego e renda que levou o crime organizado destas facções a recrutar a sua mão de obra entre jovens desempregados da periferia.

 

O combate à criminalidade não se improvisa, nem se resolve com medidas paliativas, tais como agravamento de penas, mas requer um conjunto de medidas de médio e longo prazo, contando sobre tudo com a presença ativa e construtiva do Estado, em parcerias com setores organizados da sociedade civil.

 

 

MIGUEL JUAREZ R. ZAIM

 

MIGUEL JUAREZ R. ZAIM (ADVOGADO EM CUIABÁ/MT) – Doutor em Ciências Jurídicas e Sociais, Especialista em Direito e Processo Penal, Direito e Processo Civil, Direito Constitucional, Direito Tributário, Direito Imobiliário e Direito Ambiental. 

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Outubro 2018

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br