Igreja Batista Getsemâni

Janaina pretende fazer parte da base de apoio do governo Mendes

Luana Valentim
Da Redação

Foto: (Alair Ribeiro)

JANAINA

 

A deputada estadual Janaina Riva (MBD), reeleita no último domingo (7), em entrevista ao Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real, nesta quarta-feira (10), declarou que pretende fazer parte da base do governo Mauro Mendes (DEM), mas antes pretende conversar com ele para não haver divergências e se tornar novamente da oposição.

 

Ela acredita que o trabalho de oposição que fez ao governo Pedro Taques (PSDB) ajudou para que conseguisse os 51.546 mil votos, pois sempre fazia críticas à sua gestão apontando os diferentes caminhos. Porém, faltou habilidade ao tucano que também teve dificuldade de dialogar com os deputados, ‘batendo’ constantemente na oposição que foi crescendo dentro da Assembleia.

 

“Então como cresceu a rejeição do governo, cresceu também a aprovação dos deputados que faziam a oposição ao Governo do Estado. Eu acredito muito que o mérito não se deve ao governador diretamente, mas ao trabalho feito enquanto líder da oposição a Pedro Taques”, explicou.

 

Apesar de ainda não ter tido tempo para conversar com Mendes, Janaina relata que as suas convicções não mudaram, tendo ainda os mesmos ideais, acreditando que deve ser mantida a coerência do que fez e defendeu. Pois, a demonstração das urnas referente aos deputados mostra que as pessoas estão muito atentas ao trabalho de cada um, por isso pretende manter o mesmo perfil e, claro, sempre imprimir a sua personalidade que fez diferença na Casa chamando a atenção dos eleitores.

 

Questionada sobre a possibilidade de ser da base de apoio do governo, Janaina destacou que seria uma experiência única, pois o objetivo de um parlamentar é também de atender aos municípios podendo assim dar um respaldo para aqueles que depositaram o seu voto.

 

Janaina frisou ainda que não conseguiu fazer isso na gestão tucana, ficando muito mais focada no trabalho Legislativo dentro do parlamento do que no trabalho de base, pois, as suas emendas não eram pagas e porque teve muitas dificuldades com relação aos trabalhos regionais.

 

“Então eu gostaria muito de ter uma experiência como essa, em saber como é colocar uma emenda de asfalto e ela chegar até o município, ter uma bandeira que o governo abrace. Pois as minhas leis não foram regulamentadas, então imagine você gerar um filho por tanto tempo, sendo ainda um projeto de lei, quando vira lei não é regulamentada. É uma falta de respeito muito grande comigo e com outros deputados também. Eu gostaria agora de vivenciar o outro lado”, declarou.

 

A parlamentar ainda afirmou que pretende utilizar o que fez na oposição para contribuir enquanto deputada de base. Mas esclarece que para isso, as ideias têm que coincidir, pois não pretende vivenciar o mesmo que ocorreu no governo tucano.

 

Ela relata que no primeiro dia de seu mandato, chegou a se oferecer para ser da base de apoio de Taques, no entanto, ele não achou que seria interessante e descartou o seu apoio, então acabou se tornando líder da oposição. ‘Depende então mais do governador do que de mim’.

 

“Ele precisaria dar um respaldo sobre as causas dos servidores públicos. Me permitisse participar dos diálogos e negociações que são recorrentes. O que eu não tive no governo passado. Acho que seria importante também discutir algumas pautas polêmicas como a questão da saúde, sobre o que ele pretende fazer, por exemplo, o enxugamento da máquina, se existe realmente a intenção de diminuir os comissionados, não penalizando assim os servidores públicos concursados, os planos de cargo e carreira, se ele vai suspender as progressões. São várias as questões que acho importante sentarmos antes e dialogarmos sobre”, destacou.

 

Janaina pontuou que a importância de se dialogar antes é para que, depois de alguns meses na base de apoio, não venha a se tornar da oposição. Por isso pretende primeiro ter conhecimento sobre as pautas de Mendes para Mato Grosso e se estão de acordo com o que ela já propôs dentro da Assembleia.

 

A emedebista entende que o democrata precisará de um tempo para analisar qual a real situação do governo, pois não acredita que os dados apresentados por Taques são transparentes, por isso não pretende estipular um prazo. Mas garante que irá chegar o momento de fazer as devidas cobranças, como no caso da data do pagamento do salário dos servidores que foi alterado para o dia 10 e ela pretende lutar para que retorne para o dia 30.

 

“Nós chegamos a dar um ano e meio para que Taques de trégua para poder imprimir o seu formato de trabalho, infelizmente ele não imprimiu nem em quatro. Então que acho que o Mauro Mendes tem que ter um período de paz da Assembleia Legislativa para poder construir aquilo que ele prometeu para o Estado de Mato Grosso”, disparou.

 


Fonte: Revista Única

Visite o website: wwww.unicanews.com.br