Cuiabá, 21 de Setembro de 2019

COMPORTAMENTO
Segunda-feira, 29 de Julho de 2019, 10h:37

SAIBA O QUE FAZER

É possível criar filhos mais inteligentes?

Segundo especialistas, só uma pequena parte da inteligência das crianças é hereditária, e o resto depende de fatores como a personalidade e o contexto econômico, social e cultural em que ela está inserida.

Por G1

(Foto: Shutterstock)

robotica.jpg

Atividades como robótica costumam ser relacionadas à inteligência.

 

Ter filhos inteligentes é um desejo de todo pai ou mãe. E, para isso, muitas famílias acabam investindo, desde o nascimento do bebê, nas mais variadas atividades e estímulos que possam fazer da criança um pequeno gênio. Mas será que isso é mesmo efetivo? É possível tornar alguém mais inteligente?

Em parte, sim. Definida como a nossa capacidade de enfrentar situações novas, se adaptar e modificar o mundo em que vivemos, a inteligência é um potencial inato (ou seja, todos nós nascemos inteligentes). Mas são necessários estímulos para que ela se desenvolva da melhor maneira possível, e isso vai ser determinante para definir o grau de capacidade cognitiva que a pessoa irá alcançar.

“Cerca de 20% da nossa inteligência vem da hereditariedade, e isso não há como mudar. Mas os outros 80% estão relacionados a outros fatores como a personalidade e o contexto econômico, social e cultural em que a criança está inserida. Depende das chances que você dá a ela”, explica Cláudia Ambrósio, neurologista pediátrica do Sabará Hospital Infantil.

Isso significa que, por mais que cada um tenha alguns limites estabelecidos geneticamente, os estímulos certos dados na hora certa farão toda a diferença.

E isso deve começar antes mesmo da criança ser concebida, lá na saúde da futura mãe que ainda nem engravidou. “Há estudos que mostram que filhos de mulheres obesas antes de engravidar atingem um QI menor”, exemplifica Cláudia.

(Foto: Shutterstock)

desenvolvimento.jpg

Período que vai da gestação até o fim dos dois anos de vida é fundamental para o desenvolvimento da inteligência.

 

Os 'primeiros mil dias'

 

Durante a gestação, há outros cuidados que podem contribuir para o bom desenvolvimento cognitivo da criança: “Nutrição adequada, rotina de sono e exercícios físicos, ganho de peso adequado, evitar a exposição ao álcool, ao tabaco e a substâncias ilícitas”, enumera a Rafaela Grochoski, neuropediatra da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). Esses fatores podem garantir um QI de 20% a 30% maior para os filhos, de acordo com pesquisas.

Há uma dica que pode parecer batida mas que, pelo menos até os seis meses de vida, é fundamental: o aleitamento materno. Com a amamentação, o bebê recebe nutrientes necessários para o desenvolvimento cerebral (como ômega 3) e, principalmente, permite o vínculo com a mãe, imprescindível para a formação cognitiva.

“Após esse período, as crianças devem ter acesso à alimentação balanceada sem carências nutricionais", diz ela.

"Também é importante a boa qualidade do sono (já que a fixação dos conhecimentos adquiridos ocorre ao dormir), uma rotina estruturada e ambientes seguros e com estabilidade emocional. Já se sabe que crianças expostas a estresse crônico têm pior rendimento acadêmico”, afirma Rafaela Grochoski, da ABN.

Esses cuidados fazem parte da fase mais importante para a formação, aquela que os pediatras chamam de “primeiros mil dias” – período que vai da gestação até o final do segundo ano de vida da criança.

“É a janela de oportunidades. É neste período que todos os fatores vão influenciar o desenvolvimento cognitivo e neurológico da criança. Tudo o que se faz nesses mil dias pode garantir um desenvolvimento cerebral”, diz a neuropediatra Cláudia.

A explicação está na intensa formação de sinapses do cérebro durante esse período: quando nascemos, fazemos cerca de 2,5 mil sinapses (área em que um neurônio se comunica com o outro para transmitir impulsos nervosos). Aos três anos de vida, esse número está em aproximadamente 1 quatrilhão.

“Até os dois anos, as crianças estão em uma fase sensorial. Então, é importante expô-las a cores, cheiros, sons, texturas, temperaturas diferentes. Nessa fase inicia-se também o desenvolvimento de habilidades interpessoais e de linguagem, que vão auxiliar o processo do aprendizado acadêmico anos mais tarde”, recomenda Rafaela.

Isso não significa que após os três anos nada mais pode ser feito para desenvolver a inteligência. O cérebro está em constante evolução e as pessoas são capazes de adquirir novos conhecimentos e habilidades ao longo de toda a vida. Mas não tem jeito: é durante a primeira infância que a neuroplasticidade, capacidade do cérebro de formar novos circuitos neuronais para agregar conhecimento, está em seu auge.

 

Atividades extras

 

Do berçário ao ensino médio, apostar em atividades além da escola é a forma que muitos pais encontram para desenvolver habilidades e estimular a inteligência dos filhos. A oferta de cursos é ampla: idiomas, música, esportes, robótica, programação, entre tantos outros.

A maioria das atividades vai proporcionar ganhos, desde que a criança goste do que está fazendo e possa sempre equilibrar com períodos de descanso e brincadeiras livres (mas o excesso de estímulos também atrapalha). Esses ganhos, porém, não necessariamente se referem à inteligência, e sim a habilidades que podem ser úteis posteriormente na vida de adulto.

Quando o assunto é ganhar inteligência, a música é a campeã de indicações entre os especialistas.

"Nos primeiros três anos de vida, é comprovadamente um remédio para melhorar a inteligência. Desenvolver o ritmo, tocar um instrumento. Há estudos que dizem que melhora de 20% a 30% o potencial cognitivo de uma criança”, cita a neuropediatra Cláudia Ambrósio, do Sabará Hospital Infantil

As atividades físicas (sejam dança ou esportes coletivos e individuais) também entram para a lista de recomendações. Além do óbvio ganho para a saúde, elas auxiliam o desenvolvimento motor e a percepção corporal, a concentração e as relações interpessoais, além de estimular o trabalho em equipe e contribuir para a construção da autoestima.

Mas se você é pai ou mãe e quer oferecer as melhores oportunidades para o seu filho se desenvolver, saiba que a chave para isso está bem perto: no amor.

“Os pais correm atrás de técnicas e milhares e estímulos para tornar a criança um sucesso acadêmico ou profissional, mas nada é mais importante do que o afeto. Laço, vínculo, interesse, segurança são os estímulos necessários para desenvolver o cérebro, mas a gente quer mais do que um cérebro. A gente quer um adulto seguro, feliz, consciente e responsável. Isso vem muito de pequeno, não vem de uma escola com ensino especializado, três idiomas e outras tantas atividades”, aconselha Cláudia.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE