Cuiabá, 16 de Outubro de 2019

CIDADES
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019, 08h:28

SEM SALÁRIOS

Servidores penitenciários ameaçam parar: "maior greve de MT"

Da Redação

(Foto: Divulgação/Sindispen)

O Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen) se reuniu na tarde desta terça-feira (15), com a categoria para debaterem quais estratégias deverão ser adotadas diante das medidas apresentadas pelo atual governador, Mauro Mendes (DEM), em relação ao pagamento dos salários e 13º salário, o que prejudica diretamente os servidores públicos do Estado.

A classe penitenciária decidiu entrar em estado 'permanente de assembleia e greve', ou seja, em modo de alerta, podendo paralisar a qualquer momento todas as atividades. 

Batista ainda destacou para os servidores durante a assembleia que não devem aceitar o que está sendo imposto pelo governo.

“O que está sendo imposto pelo governo é inaceitável, salário alimentício de servidor público é inegociável, estamos preparando a maior greve unificada que já aconteceu no Estado de Mato Grosso. Unidos somos mais fortes e com toda certeza não permitiremos que essa displicência prossiga”, destacou João Batista.

Durante assembleia, o presidente do Sindspen e deputado eleito, João Batista, explanou vários pontos da solução de Mendes que está sendo apresentada à Assembleia Legislativa e esclareceu como os servidores serão afetados.

A vice-presidente do sindicato, Jacira Maria da Costa, ressaltou que o governador em nenhum momento se mostrou aberto para diálogo ou negociações e ainda criticou que ele 'simplismente' decide e faz, sem ao menos argumentar com a categoria: "então ele terá que aguentar as consequências, porque não aceitaremos ser desmoralizados”.

Na reunião, participaram todos os servidores da segurança penitenciária, não só de Cuiabá, mas do interior do Estado.


Comentários







Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.


LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO




VÍDEO PUBLICIDADE