Cuiabá, 22 de Agosto de 2018

DOENÇA CRÔNICA E RARA

Domingo, 11 de Março de 2018, 11h:15 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Médica cuiabana já está na Suíça para a realização do suicídio assistido

Da Redação

(Foto: Reprodução)

médica -leticia-franco-morte-assistida-na-suica.jpg

 

Já está na Suíça, a médica com doença rara que decidiu realizar o procedimento do 'suicídio assistido', aceito na Suíça, na Europa. Na última postagem, em sua página no Facebook, e já inclusive apagada pela família, a médica cuiabana Letícia Franco, de 36 anos, voltou a se despedir de amigos e familiares, confidenciando que já estaria chegando sua data de viagem à Suíça, onde realizará o procedimento, legalizado naquele país, do 'suicídio assistido'.

 

A médica oftalmologista sofre de uma doença rara, a  dermatomiosite, também conhecida como dermatopolimiosite. Uma doença crônica que se caracteriza por acometimento inflamatório da pele e dos músculos.  Neste final de semana todos os seus perfis nas redes sociais já foram bloqueados.

 

Uma amiga da oftalmologista - Raiane Leal -, chegou a revelar que muitas pessoas tentaram convencê-la, mas que a médica não conseguia mais lidar com a dor da doença e decidiu pelo procedimento.  A médica vinha dizendo que o proceddimento iria deixá-la, enfim, livre da 'dor e do medo'.

 

Letícia postou - durante este período que optou em revelar sua decisão por meio de sua rede social -, fotos no hospital, com seu gato que amava profundamente. ED fez um a espécie de mea culpa com a família, pedindo que a família entendesse que ela queria ter um final digno. 

 

Na Suíça, a assistência ao suicídio é permitida desde 2001, no entanto, o critério é que o pedido de assistência seja sério e repetido durante algum tempo e sempre para um paciente que tenha uma doença incurável, com morte previsível.

 

No dia do procedimento proporciona-se uma solução com 10 gramas de pentabarbital de sódio misturada com um suco que o paciente deve, necessariamente, ser capaz de ingerir com suas próprias forças. Se não fosse assim, se trataria de uma eutanásia e não de suicídio assistido.

 

A eutanásia é quando uma pessoa mata diretamente outra. Ou seja, por exemplo, quando um médico dá uma injecção letal a um paciente. Já o termo suicídio assistido é usadoa quando uma pessoa ajuda outra a matar-se, mas em todo o procrddimento é a pessoa quem - com suas mãos - ingere, por exemplo, o veneno. 

 

Raianne contou que desde que a conhece a médica, ela sempre sentiu muitas dores. “Ela tem desde muito nova, só que ela vai piorando com o passar do tempo. Faz a pessoa sentir muitas dores, dores fortes. É uma doença rara, poucas pessoas sofrem como ela. Ela já foi até pra fora do Brasil para tentar tratamento”.

 

A amiga contou que já há algum tempo não estava próxima a Letícia, já que mudou de cidade, mas que a médica era uma pessoa com coração bom. “Ela era sozinha, morava sozinha. Sempre foi muito triste e depressiva. Quando eu mudei de Cuiabá nos afastamos, mas antes saíamos muito. Ela era uma pessoa maravilhosa, coração bom, ajudava todo mundo. Mas é a vida, ainda tenho esperança de Deus operar um milagre, só ele”.

 

Dermatopolimiosite

 

A dermatomiosite, também conhecida como dermatopolimiosite, é uma doença crônica que se caracteriza por acometimento inflamatório da pele e dos músculos. O desenvolvimento da doença está relacionado a um distúrbio imunológico e associado a uma predisposição genética, que resultam em um processo denominado vasculite (inflamação dos vasos sangüíneos), de caráter crônico. Infecções por vírus ou bactérias podem preceder o aparecimento dos sintomas. No entanto, o papel destes agentes no desencadeamento da doença ainda é motivo de pesquisa.

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. julho 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade


Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br