Cuiabá, 26 de Maio de 2018

ONOFRE RIBEIRO

Segunda-feira, 05 de Fevereiro de 2018, 07h:00 - IMPRIMIR | comentar (01)
A | A

compartilhar

Crises nos poderes


            A semana passada terminou com o cheiro da fumaça dos incêndios nos poderes Judiciário e Legislativo versus o Poder Executivo. Motivo: repasses de duodécimos em atraso. Há mais em jogo do que reclamações e atrasos. Há muitas mágoas no meio dessa discussão. Vamos aos fatos.

            O Tribunal de Justiça movimentou o sindicato dos seus servidores pra entrar com pedido de bloqueio de  R$ 250 milhões dos cofres estaduais e garantir repasses atrasados de duodécimos do Poder Judiciário. O presidente do Tribunal de Justiça, Rui Ramos, exigiu do governador Pedro Taques o pagamento em 48 horas, contando a partir do dia 31.  Juntos, o sindicato classista e o TJ deram duro recado ao governo: estão dispostos ao confronto.

            Porém, a cultura interna do Poder Judiciário não é de confronto. Está sendo interpretado que uma divisão interna entre desembargadores criou uma frente a favor e outra contra o confronto. Logo, o final da ópera é sentarem-se com o governador e negociarem de novo os calendários de repasses. O TJ perdeu o espírito de corpo. Perda de poder.

            Já a Assembleia Legislativa deu recado muito semelhante. Estranha-se que o portador do recado tenha sido o presidente Eduardo Botelho, aliado da primeira hora do governador Pedro Taques e do seu governo. A Casa vem choramingando há semanas o atraso dos seus repasses. No fundo, também existe um outro pano de fundo: a  pressão dos deputados estaduais pela liberação das suas emendas parlamentares. Bom lembrar que a pobreza legislativa da Casa obriga os parlamentares se agarrem nas emendas como a fonte de sua sobrevivência.  Aqui de novo se registra o espírito do corpo motivado pelos interesses individuais dos deputados mascarados em aparente civismo.

            Do ponto de vista da sociedade mato-grossense o imbróglio todo se resume a duas coisas que pouco respeito lhe diz: politicagens ou corporativismo. Nesse caso a sociedade não guarda nenhuma simpatia pelos dois poderes nas suas reivindicações. A distância entre eles o cidadão é enorme. No imaginário popular não passam de siglas perdidas no mar da burocracia.

            No meio do caos, ainda resta o governador Pedro Taques que atribui à crise econômica e fiscal os atrasos nos duodécimos. Põe-se como vítima do contexto. Seus prejuízos políticos em ano eleitoral, por conta dos atrasos parece que não chegarão ao eleitor.

            Na sexta-feira participei de uma reunião de empresários que traduziram numa linguagem objetiva seu desinteresse com toda essa questão: “isso é briga palaciana. Não vai a lugar nenhum”.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

onofreribeiro@onofreribeiro.com.br   www.onofreribeiro.com.br

           

Fb

Compartilhe esta notícia com os seus amigos

0 Comentário(s).

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

COMENTAR ESTA MATÉRIA
FECHAR

Edição Atual

Ed. Abril 2018 Revista Única

ASSINAR LER A REVISTA MAIS



vídeo publicidade



Av. Historiador Rubens de Mendonça, 1731 - Cuiabá MT

arte@unicanews.com.br